Mais notícias

Curtas

23:30 · 10.12.2011
Perigos da insônia

Estudo norueguês publicado na revista Circulation sugeriu que pessoas que sofrem de problemas relacionados ao sono correm um risco de 27% a 45% maior de sofrer um ataque cardíaco. Foram estudados 52.610 adultos noruegueses que responderam a uma pesquisa nacional sobre sintomas de insônia entre 1995 e 1997. No decorrer de 11 anos, os cientistas observaram 2.368 pessoas que tiveram seu primeiro ataque cardíaco e identificaram um risco maior naqueles que relataram mais problemas para dormir. Embora os cientistas tenham advertido que esses padrões podem variar de uma população para outra, uma relação parecida entre insônia e doenças cardiovasculares já havia sido sugerida nos EUA.

Música contra a dor

A Universidad de Granada, Espanha, divulgou recentemente estudo que comprava a ação benéfica da musicoterapia, quando combinada a outras técnicas de relaxamento, na redução da dor, depressão e ansiedade, além da melhora do sono em portadores de fibromialgia. Foram estudados 60 pacientes que sofrem da doença divididos em dois grupos. Os que se submeteram às sessões de relaxamento e musicoterapia tiveram uma melhora considerável, enquanto os demais não relataram mudanças.

Cicatrização

Pesquisa do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP demonstrou 50% mais eficácia do Plasma Rico em Plaquetas (PRP) no tratamento de cicatrização de lesões de ligamentos do joelho. O composto, rico em fatores do crescimento obtido do próprio sangue do paciente foi utilizado durante seis meses, em 12 de 27 atletas, entre 15 e 44 anos. No pós-operatório, os pacientes que foram submetidos à nova técnica apresentaram menos dor. Segundo o ortopedista envolvido no estudo, Adriano Almeida, os que receberam o plasma tiveram 3,8 na escala de dor (enquanto o grupo controle apresentou 5,1) e a cicatrização deles aumentou em 50%.

Nada de lanches

Fazer lanches entre o café da manhã e o almoço prejudica a dieta, mais do que consumi-los em outros horários do dia. É o que diz estudo, publicado no Journal of the American Dietetic Association. Mulheres que fizeram dieta por um ano e lanchavam pela manhã perderam 7% do peso, enquanto que as que não o faziam, perderam 11%.

Novos sintomas

Dois novos sintomas relacionados à ocorrência de um derrame foram descobertos por pesquisadores britânicos. O projeto desenvolvido pela University Hospitals of Leicester NHS Trust afirma que fraqueza nas pernas e perda de visão também podem ser sinais da doença. Segundo a entidade assistencial britânica voltada para o tratamento do derrame, a Stroke Association, existem três sintomas que precisam ser observados: fraqueza facial, nos braços e problemas de fala. "Certamente existem outros sintomas. Mas, o mais importante é que as pessoas se lembrem de agir rapidamente quando observarem os sinais e ligar para a emergência", afirmou Simon Cook, chefe de operações da Stroke Association.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.