PREVENÇÃO

Cuidados redobrados com a saúde podal

23:30 · 10.12.2011
( )
Fissuras no calcanhar são tratadas pela podologia com o polimento das bordas endurecidas formadas pelas rachaduras, através do lixamento apropriado e da utilização contínua de cremes hidratantes específicos
Fissuras no calcanhar são tratadas pela podologia com o polimento das bordas endurecidas formadas pelas rachaduras, através do lixamento apropriado e da utilização contínua de cremes hidratantes específicos ( Rodrigo Carvalho )
O desbaste de fissuras deve ser feito por profissionais, evitando machucados maiores nos pés
O desbaste de fissuras deve ser feito por profissionais, evitando machucados maiores nos pés ( Rodrigo Carvalho )
Hidratação, calçado adequado e higiene são vitais para a manutenção da base de sustentação

Como base de sustentação, os pés são uma das partes mais requisitadas nas atividades diárias. Para se ter uma ideia, uma pessoa dá, em média, 10 mil passos por dia. Mesmo tendo que sustentar o peso do corpo durante várias horas do dia, muitas pessoas ainda não têm os cuidados adequados com os próprios pés. Segundo a podóloga Guacira Araripe, do Centro de Tratamento dos Pés, tratamentos estéticos, calçados inapropriados e o sobrepeso são fatores que capazes de provocar danos à saúde podal.

Pés desidratados

Um dos problemas mais observados pelos podólogos são as rachaduras que se desenvolvem no calcanhar. Grande parte se deve ao ressecamento da pele, causado pela desidratação dos pés.

"O tratamento mais comum das fissuras é a hidratação. Indicamos a imersão dos pés em água por alguns minutos e após secá-los bem, inclusive entre os dedos, utilizamos substâncias com um bom poder de penetração ou que tenham a capacidade de reduzir a espessura da camada de queratina na região", afirma Renata Câmara, dermatologista e professora do curso de Medicina da Universidade de Fortaleza (Unifor).

Reação alérgica

A falta de hidratação adequada não é o único motivo para o aparecimento das fissuras. Segundo a dermatologista, materiais como tintas, colas e constituintes da borracha que compõe o solado dos calçados podem desenvolver dermatite de contato, espécie de reação alérgica em função da proximidade com a pele.

A psoríase, doença inflamatória que acomete a pele, as unhas e as articulações, também estão entre as responsáveis pelas rachaduras calcâneas. "Uma das formas de apresentação da doença se chama psoríase palmo-plantar, que acomete os pés e as palmas das mãos. Pode ser tratada com a devida hidratação e com o uso de substâncias anti-inflamatórias", afirma Renata Câmara.

Em casos extremos, as fissuras podem sangrar. Segundo a podóloga Guacira Araripe, os casos podem ser tratados com uma assepsia rigorosa dos pés e a utilização de cremes específicos para auxiliar na cicatrização.

Também é indicado o uso de sapatos fechados para evitar possíveis contaminações, tomando o cuidado para não deixar os pés abafados por um longo período.

Renata observa ainda que as rachaduras funcionam como portas de entrada para bactérias, causando infecções secundárias às lesões que prejudicam a cicatrização.

Durante o inverno, a pele sofre mais com o ressecamento, o que pode proporcionar o aparecimento das fissuras. No Ceará, porém, a forte incidência do sol auxilia na perda de água do corpo, o que também resseca a pele.

Calos e verrugas

Não menos comuns, os calos são um verdadeiro incômodo. De acordo com a podóloga, o surgimento dos calos é uma forma de defesa dos pés contra a fricção causada pelo uso do calçado. "Quando se utiliza um modelo que machuca o pé em algum ponto, ali serão depositadas várias camadas de células, procurando proteger o local afetado. O problema é que estas célula são mortas e endurecidas e com isso causam desconforto quando o pé é solicitado para a marcha", explica a especialista.

Já as verrugas plantares, mais conhecidas como ´olho de peixe´, são ocasionadas pelos vírus da família do papilomavírus humano (HPV). De acordo com Renata Câmara, as verrugas geralmente são dolorosas, devido ao seu crescimento dentro da pele e exigem diversas sessões de tratamento com o dermatologista. Como não existe nenhuma medicação capaz de destruir o vírus, o tratamento é voltado para a destruição do tecido infectado.

Saltos e rasteirinhas

Guacira Araripe afirma que os calçados mais indicados são aqueles que trazem conforto ao andar. Um dos elementos que devem ser observados na escolha é o espaço para os dedos, que deve ser largo e ter altura compatível com o pé, para que os dedos não fiquem apertados. A parte traseira do calçado precisa ter firmeza suficiente para dar equilíbrio aos tornozelos.

O uso de saltos pode resultar em problemas, pois podem resultar na distribuição desigual do peso corporal sobre os pontos de apoio dos pés. Como consequência, surgem calosidades na região do metatarso - parte superior dos pés, dores em função da curvatura das articulações, além do encurtamento do tendão calcâneo, popularmente chamado de tendão de Aquiles, impedindo que a pessoa caminhe com os pés paralelos ao chão. O salto ideal deve ter, no máximo, cinco centímetros.

Sandálias abertas também devem ser usadas com cuidado, pois permitem que o pé tenha contato com agentes irritantes (como cimento), estando mais propenso a desenvolver fissuras.

Segundo Renata Câmara, é importante lembrar que o trabalho do dermatologista aliado aos cuidados do podólogo são importantes no aparecimento de qualquer complicação na região dos pés. "Os podólogos podem atuar na fase de prevenção de doenças plantares tratando as áreas mais espessadas da planta do pé, mantendo o corte correto das unhas (para evitar o encravamento) e encaminhando para o dermatologista, que é o especialista que deve entrar em ação, quando um problema for detectado", recomenda Renata Câmara.

Cuidados diários

Fazer a higiene entre os dedos dos pés e secá-los são atitudes simples que podem impedir a proliferação de fungos. São eles os causadores de fissuras e mal cheiro;

Usar meias de algodão - de preferência -, pois elas absorvem melhor o suor dos pés. Também evitam são ideais para evitar o surgimento de microrganismos. As meias devem ser trocadas diariamente;

Observar atentamente o aparecimento de fissuras, calos sobre os dedos, entre os dedos ou outros tipos de alterações nos pés. É importante iniciar o tratamento logo quando for detectado o problema;

Esmaltes devem ter o uso interrompido durante um certo intervalo de tempo. A prática é necessária para que seja possível observar a saúde das unhas;

Cuidado ao retirar o excesso das cutículas, pois funcionam como uma barreira de proteção contra infecções por fungos e bactérias e contaminações por produtos químicos;

Visitar periodicamente um podólogo pode auxiliar a prevenir doenças nos pés.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.