CONSUMO

Comprar sem exagero

01:52 · 06.11.2011
Pode parecer fácil, mas compras de supermercado exigem planejamento e conscientização para não encher o carrinho de calorias desnecessárias

Não bastassem as tentações expostas logo na entrada, passar pela área da lanchonete ou da padaria torna qualquer ida ao supermercado uma verdadeira provação, principalmente para quem está de dieta. O cheirinho do pão que acabou de sair do forno, o amontoado de barras de chocolate expostas com a placa "leve três pelo preço de dois". Difícil resistir, não?

O cuidado com a alimentação começa logo na escolha dos produtos, e o segredo, segundo a professora do curso de Nutrição da Universidade de Fortaleza (Unifor), Armênia Uchôa, é planejar o que vai comprar, a quantidade, o quanto vai gastar, e, é claro, levar apenas o que consta na lista, evitando colocar na despensa os tentadores biscoitos recheados, batatas fritas e doces, trocando-os por opções mais saudáveis e menos calóricas, como as bolachas integrais e frutas.

"Os supermercados têm estratégias de venda que, se não estivermos preparados, compramos aquilo que não queremos ou que não precisamos. Por isso, recomenda-se jamais ir ao supermercado com fome, sem listas de compras e com pressa", alerta.

O ideal é optar por alimentos pouco processados - isso vale para pães frescos ao invés de embalados, frutas, legumes e vegetais in natura ou congelados para fazer uma sopa, no lugar de comprar sopa instantânea, etc. Quanto às refeições prontas, é importante lembrar que, na maioria das vezes, são mais ricas em gorduras saturadas e hidrogenadas, sal, intensificadores de sabor, dentre outros aditivos.

Lista de compras

Além de ter anotados todos os produtos a serem comprados, melhor ainda é se a lista for baseada em cardápios e receitas, pois assim torna-se mais difícil levar além do que se precisa e ainda permite o planejamento de refeições mais equilibradas.

Segundo o professor do curso de Medicina da Unifor, endocrinologista José Ítalo Mota, ler os rótulos também ajuda a frear o consumo desnecessário ou prejudicial e, no caso daqueles que possuem restrições alimentares mais severas como diabetes, intolerância à lactose ou glúten, esse hábito torna-se essencial.

"O rótulo é que vai informar o conteúdo calórico e a presença de macro e micronutrientes presentes nos alimentos e que devem ser evitados", acrescenta Armênia Uchôa. Para ela, a quantidade de gorduras saturadas, conservantes, açúcar e, principalmente, a quantidade de caloria/porção, são elementos que não podem deixar de ser observados.

Perigo das promoções

Ao entrarmos em um supermercado, as primeiras sessões com as quais nos deparamos são as das promoções, que tentam nos convencer de optar pela quantidade a baixo custo. Geralmente o que vem a cabeça é: vou levar, afinal, quando vai surgir outra oportunidade como essa?

O problema é que nem estamos precisando do produto e, de acordo com Armênia Uchôa, é comum comprar apenas por impulso ou gula. Estas são reações precisam ser trabalhadas em uma reeducação alimentar, levando em conta que é possível aproveitar alimentos mais baratos com moderação e sem prejudicar a saúde.

Um fator que ajuda nesse auto-controle é nunca ir ao supermercado sem ter se alimentado. Isso porque, conforme o dr. José Ítalo, quando estamos com fome, não só compramos mais como compramos errado, optando por alimentos mais calóricos.

Armênia Uchôa recomenda, se possível, fazer as compras após o café da manhã. "De preferência , aconselho a ir depois das 10h, quando o estoque de frutas e verduras já tem sido reposto".

O dr. José Ítalo informa ainda que, "salvo as pessoas com restrições graves, todos podem comer qualquer tipo de alimento, contanto que haja moderação. Portanto, antes de optar por diet e light ou mudar a alimentação, é importante consultar um endocrinologista ou nutricionista".

Entrevista

Patrícia Passos

Manter o foco é o segredo para vencer o impulso de comprar sem necessidade

Como o psicológico influencia nas compras de supermercado?

O desejo é o que move o ser humano, tanto o consciente quanto o inconsciente. No que diz respeito ao consumo, nosso inconsciente trabalha e passa por cima da ideia da comida apenas como instinto de sobrevivência. Os apelos publicitários como embalagens coloridas, a beleza, os slogans criativos ou mesmo o posicionamento dos produtos nas lojas aumenta o papel do desejo e do prazer no comer. Entramos no supermercado para comprar uma coisa e saímos com várias.

É comum comprar apenas por impulso ou gula?

Sim. O homem é muito impulsivo, porém a sociedade acaba controlando esses impulsos. Quando não há o controle, surgem as compulsões, seja por compras, comida, sexo, etc.

Como manter o auto-controle diante das tentações?

Nunca é bom ir ao supermercado com fome, pois, quando temos necessidade de algo (no caso, de comer), tendemos a atendê-la de qualquer forma e acabamos levando mais que o necessário ou buscando logo pelos alimentos mais calóricos. É importante ir alimentado, com a lista de compras na mão, um orçamento preestabelecido e, principalmente com o foco naquilo que precisa.

Coordenadora do curso de psicologia da Unifor

ANAMÉLIA SAMPAIO
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.