Espiritualidade

Atendimento humanizado e afetuoso auxilia pacientes

00:22 · 03.09.2013
Por meio de conversas com enfermeiros, pessoas doentes recebem apoio para enfrentar problemas

A ciência é, definitivamente, imprescindível para a melhoria da saúde de pessoas que passam por problemas sérios, a exemplo de depressão, doenças terminais, fobias, entre outros. Entretanto, em Fortaleza, um grupo de enfermeiros, além de utilizar no cotidiano as funções técnicas da enfermagem, tem difundido uma abordagem diferente em relação aos pacientes: conversas olho a olho, palavras de incentivo, atitudes positivas e auxílio espiritual.

O enfermeiro Michell Araújo desenvolve o cuidado espiritual e emocional dos pacientes no Hospital de Messejana, em Fortaleza. Ele auxilia, principalmente, pessoas acometidas por doenças terminais foto: erika fonseca

"Enquanto fazemos um curativo, aplicamos uma injeção, vamos conversando, falando da vida, aconselhando, apoiando, e isso faz uma diferença muito grande na maneira com a qual o paciente passa a enfrentar a doença", explica o doutor em enfermagem e professor, Michell Araújo.

É com naturalidade que os enfermeiros abordam os pacientes. Segundo conta Araújo, às vezes, nem os próprios profissionais se dão conta de que estão fazendo uma abordagem diferente, de tão natural que se torna o processo. O enfermeiro destaca que o principal profissional que trabalha junto aos pacientes nesse sentido é o enfermeiro, mas que eles também recebem apoio de assistentes sociais e psicólogos. "É uma operação conjunta que visa fazer com que o paciente entenda a vida e até o sofrimento de forma positiva", ressalta. Além de beneficiar as pessoas que estão doentes, a abordagem também é positiva aos próprios enfermeiros. "Para ajudar pessoas em relação ao sofrimento e à morte, é preciso que o profissional, primeiramente, aprenda a lidar com isso".

Ao enfermeiro é um prazer e um serviço à sociedade ajudar pessoas que precisam não só das técnicas da enfermagem, mas também de apoio psicológico e emocional.

Mudança

Foi aos poucos que a comerciante Marlene Marinho viu sua vida se transformar positivamente. Seu problema relacionado à fobia de elevadores e à solidão poderia ser tratado com remédios, segundo um médico que ela visitou.

"Mas eu não queria tomar remédios, pois eu sabia que isso poderia ser mudado de outra forma", conta. A partir daí, por meio de conversas e terapia coletiva, Marlene Marinho pôde ver seu cotidiano mais tranquilo e passou a fazer atividades comuns sem tanto medo.

"As conversas com os enfermeiros e pacientes me fizeram ver que meu problema não era tão sério, e isso me deu forças para tentar melhorar, porque a gente tem que se ajudar. Somos os principais responsáveis pela nossa cura", acredita.

Encontro

Para discutir como tratar melhor emocionalmente os pacientes, acontecerá, em Fortaleza, o VIII Encontro Luso-Brasileiro de Enfermagem, nos dias 9 e 10 de setembro. O evento é aberto a profissionais e estudantes. Com a temática "A Espiritualidade, Cuidado e Promoção da Saúde", o encontro tem como foco principal repensar o cotidiano da enfermagem e mostrar a importância da abordagem espiritual em pacientes.
FRASES

"O contato entre o paciente e enfermeiro é uma ajuda mútua, porque ambos crescem, aprendem e melhoram por meio de conversas"

"Alguns pacientes são mais hostis e resistem à abordagem, mas logo passam a vê-la de maneira positiva"

Mais informações
VIII Encontro Luso-Brasileiro de Enfermagem, nos dias 9 e 10 de setembro, no Ponta Mar Hotel. As inscrições podem ser feitas no site: www.elbeenfermagem.wix.com/2013


Michell Araújo
Enfermeiro


LÍVIA LOPES
REPÓRTER

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.