Entrevista com José Lopes Gomes

A hipnose aplicada em terapia

01:13 · 27.08.2013
O psicólogo e membro do Instituto Brasileiro de Hipnoterapia, José Lopes Gomes, aborda os benefícios da hipnose como terapia auxiliar

O que é, exatamente, a hipnoterapia? Como ela é realizada?

Hipnoterapia é o uso de técnicas de hipnose no tratamento terapêutico. Hipnose é um estado ampliado de consciência, envolvendo tirar a atenção do externo e direcioná-la para dentro de si mesmo e continuar em contato com o que está fora. O estado alterado da consciência se assemelha àquele cochilo que, às vezes é tirado no sofá, onde quase dormindo, com os olhos fechados, ouve-se e percebe-se tudo que ocorre ao redor. O trabalho com a hipnoterapia está dividido em três etapas. Técnicas de relaxamento onde são utilizadas várias de acordo com as necessidades do paciente; trabalho em transe que atua na remoção das emoções negativas ou inadequadas, guardadas com as lembranças; sugestão intra e pós-hipnóticas, utilizando as próprias palavras do paciente, modificando, apenas, as "conotações negativas".

Qual o principal objetivo de tratamento da hipnoterapia?

A técnica ajuda a pessoa a encontrar saídas para os problemas emocionais e psicológicos, usando todos os recursos naturais que podem estar escondidos na sua mente inconsciente, por meio do relaxamento, respiração consciente, visualização criativa, entre outros.

A hipnoterapia é reconhecida no País há quanto tempo e pelos Conselhos de quais especialidades médicas?

A Sociedade de Hipnose Médica do Rio de Janeiro - SOHIMERJ, obteve o "referendum" do Conselho Federal de Medicina - CFM, em 20/08/1999, quando outorgou aos médicos a prerrogativa do uso da hipnose, conforme seu parecer conclusivo: "como terapia, pode ser executada por médicos, odontólogos e psicólogos em suas estritas áreas de atuação". A Lei 5081/1966, que regula o exercício da profissão odontológica, item VI, prevê: "empregar a analgesia e a Hipnose desde que, comprovadamente habilitado, quando constituírem meios eficazes para o tratamento". Em 20 de dezembro de 2000, através da Resolução nº 13/2000 , com uma resolução do Conselho Federal de Psicologia, a hipnose foi reconhecida como terapia auxiliar.

Porque a hipnoterapia é um tratamento complementar? Quais situações há indicação para ser aplicada?

Ela é considerada um tratamento complementar, porque cada hipnoterapeuta vem de uma área teórica da Psicologia e usa a hipnose como ferramenta terapêutica, segundo sua forma de compreensão do ser humano. É indicada a tratamentos de casos de depressão, ansiedade, estresse, fobias, problemas sexuais, síndrome do pânico, mudança de hábito, problemas com a autoestima, e com fumo, além de modificar comportamentos inadequados.

Quais as vantagens da hipnoterapia em relação a outros tratamentos?

A hipnoterapia pode acelerar o processo de terapia e encurtar o tempo de tratamento por seu acesso rápido às situações arquivadas no inconsciente. Além de poder remover as emoções negativas ligadas a estas situações mais rapidamente. Ao fazer isso, pode modificar padrões de pensamentos e medos. O tempo de tratamento varia de acordo com a pessoa e o problema, de uma sessão a poucos meses de trabalho.

Como a hipnoterapia auxilia no tratamento de fobias?

Em estado hipnótico, o cérebro é capaz de reproduzir fragmentos de aprendizagens (sons, cores, sabores, odores, símbolos) que ficaram associados às experiências traumáticas ou dolorosas. O cérebro carregado de emoções negativas, fica estagnado, bloqueado, impedido de realizar suas ações no meio ambiente (estudar, ganhar dinheiro, relacionar-se com as pessoas). Durante o trabalho são realizadas técnicas de relaxamento, onde há a remoção das emoções negativas ou inadequadas, guardadas nas lembranças. O hipnoterapeuta sugere as mudanças que serão condicionadas, utilizando-se das palavras do próprio paciente, modificando apenas as conotações negativas. Os resultados são excelentes, pois durante a sessão, ele é conduzido a "descondicionar" emoções negativas e "condicionar" novas formas de pensamentos.

Existem pessoas que são mais predispostas à hipnose? Por qual motivo?

Algumas pessoas possuem maior facilidade à hipnose dependendo da predominância cerebral. Aquelas que têm predominância do hemisfério cerebral direito são mais emocionais, irracionais e parecem mais suscetíveis, aceitando bem todas as técnicas de indução. Já as pessoas que têm predominância do hemisfério cerebral esquerdo são mais racionais, objetivas, analíticas, voltadas para o meio externo, parecendo ser mais resistentes e aceitando melhor as técnicas corporais durante o processo de indução hipnótica.

Há formação para hipnoterapia?

Sim, existem vários cursos de especialização em Hipnoterapia em vários locais no Brasil e fora desse.

Quais os prejuízos em casos onde realiza-se um tratamento com um profissional não habilitado a praticar hipnoterapia? Há riscos na aplicação incorreta do método?

A Hipnose trabalha com nosso sistema neurofisiológico, produzindo excitação e inibição cortical. Desta forma, se a Hipnose for utilizada por pessoas que desconhecem a sua base neurofisiológica, pode provocar respostas inadequadas ou superestimular os limites das funções da Atividade Nervosa Superior (ANS -Pavlov) o que pode levar a pessoa a adquirir algum distúrbio. Um exemplo é o que acontece com a hipnose de palco, por meio da qual pessoas são transformadas em "pontes". Mais tarde, esses indivíduos podem vir a apresentar lesões na coluna ou outros danos associados. Por esses fatores, é extremamente importante buscar profissionais habilitados na hipnoterapia. Lembre-se que a hipnose é um ato volitivo e ninguém pode ser hipnotizado se não tiver vontade.

Por qual motivo apenas três categorias médicas (médicos, psicólogos e odontólogos) estão habilitadas?

Essas categoria possuem conhecimento neurofisiológico necessário para aplicação da hipnoterapia.

Em que situações o odontólogo pode aplicar a hipnoterapia?

A hipnose pode ser usada na clínica odontológica a fim de facilitar o trabalho com pacientes que apresentam histórias de medo, além de serem aplicadas também para qualquer paciente que necessite de um relaxamento maior durante os procedimentos, muitas vezes, desagradáveis. Observa-se que em pacientes com fobias referentes a essa circunstância específica, após algumas sessões sob hipnose, eles começam a aceitar o tratamento, pelo fato de terem aprendido um novo padrão de comportamento por meio do método.

Quais os objetivos do Instituto?

O Instituto Brasileiro de Hipnoterapia tem sua sede no Rio de Janeiro e carrega como objetivo principal capacitar psicólogos no trabalho com a hipnoterapia, por meio da realização de cursos de formação e atendimento social. Possuimos um trabalho bem amplo, que apresenta todos os tipos de hipnose: clássicas (mais utilizadas pela Medicina e Odontologia); Ericksoniana (usadas, geralmente, por psicólogos) e técnicas específicas (referentes a todas aquelas agrupadas em um modelo do próprio Instituto).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.