Parques da flórida

Planejamento para garantir a diversão

Com dólar em alta, é preciso cuidado com os detalhes e controle financeiro para aproveitar as férias em Orlando

Apesar da valorização do dólar, os parques da Disney continuam atraindo milhões de turistas. Orlando, na Flórida, é o destino internacional preferido dos brasileiros
00:00 · 24.05.2018
No Universal Orlando, os visitantes podem optar entre dezenas de restaurantes e lanchonetes. Pesquisar os preços com antecedência garante a economia
Orlando também conta com ótimas opções de passeios gratuitos como o Lake Eola, parque com um belíssimo lago, localizado no centro da cidade

Mesmo com a moeda norte-americana em alta, Orlando, nos Estados Unidos, segue invicto no topo da lista dos destinos internacionais mais procurados pelos brasileiros. E, embora a magia dos parques da Disney e Universal, ainda atraia milhões de visitantes ao estado da Flórida a cada ano, o fato é que o planejamento de gastos se tornou fundamental para garantir que a viagem dos sonhos não se transforme em um pesadelo.

O primeiro passo é a escolha do pacote de viagem. Comprar com antecedência e optar por um parcelamento fixo ajuda a evitar surpresas desagradáveis na volta. Além disso, é bom não subestimar os impulsos de consumo. É quase impossível resistir às centenas de produtos relacionados aos desenhos animados e filmes de sucesso. Isso sem falar dos gastos com alimentação, ingressos e transfer.

Empresa especializada no planejamento de viagens para Orlando, a Remagic elaborou uma série de dicas para quem está com passagem marcada ou sonha em conhecer a terra de Walt Disney.

Faltando pouco mais de um mês para a temporada de julho, a primeira dica é garantir o passaporte e o visto, obrigatório para entrar nos EUA, antes de fechar a viagem. Os especialistas alertam que, tanto no Consulado americano quanto na Polícia Federal podem haver imprevistos com prazos para a retirada dos documentos. Feito isso e com as passagens compradas, é preciso dar atenção aos pequenos detalhes para se manter dentro do orçamento.

Hospedagem

Opções não faltam em Orlando. Com fluxo de 72 milhões de visitantes registrados em 2017, a cidade tem excelente infraestrutura hoteleira e oferece desde hospedagens tradicionais, em hotéis, flats e resorts dentro dos parques até aluguel de casas.

Se for viajar com poucas pessoas, a melhor pedida é ficar em um hotel, com café da manhã incluso ou que tenha micro-ondas e frigobar. Assim, é possível fazer algumas refeições no quarto e economizar. O flat, por sua vez, possui uma cozinha equipada e é ideal para quem viaja com crianças.

Hospedagens dentro dos complexos dos parques são mais caras que os hotéis da cidade. Embora ofereça ótimos benefícios para os hóspedes, se o foco for economizar, a opção não compensa.

Para grupos acima de seis pessoas, a recomendação é alugar uma casa. Orlando possui milhares de imóveis disponíveis para locação. Dividindo os custos entre todos, certamente ficará bem mais barato do que quartos de hotel.

Aluguel de carro

Alugar um carro pode pesar um pouco no orçamento mas, segundo os especialistas, este é um item que vale a pena ser considerado. É bom levar em conta que a cidade é grande e optar por táxi ou Uber não é vantajoso. Além disso, o sistema de transporte público não favorece tanto os visitantes. Não existem trem ou metrô e as linhas de ônibus são bastante limitadas.

Alguns hotéis oferecem sistema de transfer (gratuito) para os principais parques e outlets. Funciona para quem está disposto a obedecer os horários certo para sair e voltar. Outro fator negativo é que esses veículos não param em supermercados para aquelas comprinhas de emergência.

Por falar nisso, vale a pena instalar aplicativos de GPS para ter no smartphone o download de mapas e navegação offline. Para quem não abre mão das selfies e postagens em tempo real, um aviso: use e abuse do WiFi grátis, disponível em quase todos os lugares.

Quando o assunto é alimentação, em Orlando, onde quer que você vá, o "fast food" sempre será a opção mais barata. Fugir dessa armadilha será o grande desafio. De novo, a pesquisa pode ser um ótimo instrumento para economizar. Também vale a pena se cadastrar no site do estabelecimento que você deseja conhecer. Muitos deles oferecem voucher de uma entrada ou de sobremesa grátis.

Quando for aos parques ou a passeios pela cidade, opte por levar lanches e snacks comprados anteriormente em supermercados. Eles saem bem mais em conta do que os vendidos nos complexos de diversão. Lembre-se que é permitido entrar com comida e se estiver com criança pequena, pode levar até uma marmitinha, pois todos os parques possuem um baby center com micro-ondas, cadeirões e pias.

Alguns restaurantes da Disney oferecem bufês de 'topping', um balcão de extras para você colocar no hambúrguer ou salada sem custo adicional. Quem quiser, pode comprar o item mais barato do cardápio e depois rechear seu lanche com outros complementos como alface, tomate, cebola, picles, repolho, ketchup e mostarda.

Souvenirs

Dependendo da quantidade de dias e de parques que deseja visitar, certamente esse item será o mais caro da viagem. Os valores são praticamente tabelados, por isso vale comprá-los ainda no Brasil, dessa forma você compra em real (R$), não tem incidência de IOF e, dependendo de onde comprar, poderá parcelar.

Outra dica dos especialistas é: leve sua máquina fotográfica e deixe espaço na memória do celular para fugir das fotos tiradas por profissionais dentro dos parques. Os custos são altos e mesmo que se feche um pacote, é um valor que pode ser economizado.

Em Orlando, vale a pena visitar alguma loja do Walmart Supercenter e Super Target, pois eles oferecem vários itens licenciados da Disney e Universal muito mais baratos que nas lojas oficiais, dentro dos parques.

Passeios gratuitos

Orlando vai muito além de parques de diversões e compras. Se suas finanças estão apertadas, fique tranquilo, você pode intercalar em seu roteiro algumas atrações gratuitas espalhadas pela cidade. São várias as opções, como o Lake Eola, um parque lindo, com gramados e um grande lago, localizado no centro da cidade. Ótimo espaço para um piquenique em família.

Com entradas gratuitas, o Disney Springs e o Boardwalk são outros centros de entretenimentos recheados de incríveis lojas temáticas e restaurantes que valem o passeio, sem a obrigatoriedade de consumir alguma coisa ou pagar estacionamento.

Do lado de Orlando, está a Celebration, uma comunidade desenhada para ser o que Walt Disney imaginou para o Epcot. Tudo parece um cenário de cinema! Há uma hora e meia de carro, em ótimas estradas, é possível desfrutar de lindas praias.

Passeios gratuitos

Disney Springs

A antiga Downtown Disney não é um lugar só para compras. No local, há apresentações de música ao vivo e performances de artistas pelas calçadas.

www.disneysprings.com/pt-br

Boardwalk da Disney

O local é aberto ao público e além dos passeios à beira do lago, é possível se deliciar com as padarias e lojinhas de petiscos. Nos restaurantes, os visitantes podem acompanhar um incrível duelo de pianos.

City Walk

Fica na entrada da Universal Studios e conta com lojas e restaurantes temáticos como o Hard Rock Café. Uma boa pedida é passear de barco gratuitamente até a última parada no "Loews Portofino Bay".

Celebration

É um dos lugares mais conhecidos da cidade e vale a pena visitá-lo. Com cenário digno de um cartão-postal, era nessa área que Walt Disney queria construir um lugar melhor para se viver, trabalhar e se divertir. Atualmente, o Celebration é uma coleção de parques, praças, bairros planejados com casas deslumbrantes, lojas, butiques, galerias, hotéis, restaurantes e festivais ao ar livre.

celebrationtowncenter.com

Lake Eola

Está localizado no coração de Orlando. A calçada que circunda o lago tem cerca de 1,5 km de comprimento. No local, os visitantes podem alugar os pedalinhos em forma de cisne e se divertirem alimentando as aves. Também são realizados concertos e shows gratuitos na concha acústica.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.