Recôncavo Baiano

Turistas celebram a Festa da Boa Morte em Cachoeira, na Bahia

Uma das mais importantes celebrações do calendário religioso baiano, a Festa de Nossa Senhora da Boa Morte movimenta cidade a 120Km de Salvador

Procissão em Cachoeira (BA) é comandada pelas integrantes da Irmandade da Boa Morte ( Foto: Tatiana Azeviche )
18:14 · 13.08.2018 / atualizado às 18:25
Missa e festejos atraem turistas do Brasil e do exterior até a cidade do Recôncavo Baiano ( Foto Tatiana Azeviche )

O nome exótico chama atenção. Na prática, a Festa de Nossa Senhora da Boa Morte é uma das celebrações religiosas mais interessantes da Bahia e todos os anos atrai milhares de turistas, muitos deles dos Estados Unidos e Espanha, até o município de Cachoeira, distante 120 Km da capital baiana. Os festejos começam nesta segunda-feira (13) e prosseguem até 17 de agosto.

Considerada Patrimônio Imaterial da Bahia, a Festa da Boa Morte é realizada desde o século XIX, atraindo turistas pela originalidade. Há mais de dois séculos, o culto a Nossa Senhora é transferido de mãe para filha, por 23 mulheres negras. Para fazer parte da Irmandade, elas precisam ter mais de 50 anos e serem descendentes de africanos.

“Os festejos da Boa Morte atraem muitos olhares porque contam a história de mulheres negras que conquistaram espaço e recursos financeiros com os quais decidiram se unir para comprar a liberdade daqueles que ainda eram mantidos como escravos”, enfatiza o secretário estadual do Turismo da Bahia, José Alves. “Com muito trabalho, perseverança e fé, elas criaram a confraria religiosa responsável pela alforria de inúmeros escravos”.

Turismo e tradição

traidção

A programação da Festa de Nossa Senhora da Boa Morte é marcada por missas, procissões, ceias, samba de roda e festejos que incluem fartura de comidas típicas, principalmente cozido e caruru.

Integrante da Irmandade da Boa Morte, Celina Sala comemora a chegada dos milhares de turistas. Pousadas como Pai Thomaz, Treze de Março e Convento do Carmo, maiores de Cachoeira,  já não dispunham de vagas desde a última semana. “Estamos com 100% de ocupação nos apartamentos no período de 12 a 17 de agosto”, informa Daniel Santana, um dos proprietários da Pai Thomaz. Na cidade vizinha de São Félix, separada de Cachoeira apenas pelos 365 metros da Ponte Imperial Dom Pedro II, a ocupação hoteleira também beira os 100%. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.