Efeito Copa

Reservas de viagem Brasil-Rússia aumentam mais de 2400% em junho

Apesar do crescimento alavancado pela Copa do Mundo da FIFA, o Brasil ainda está atrás de outros países sul-americanos

13:20 · 15.05.2018
moscou
Com o efeito Copa, Moscou agora é o 41º destino mais buscado pelos brasileiros

O número chama atenção. O aumento de reservas no Brasil com destino à Rússia, em junho de 2018, mês de início da Copa do Mundo de Futebol, aumentou mais de 2400% em relação ao mesmo mês de 2017, de acordo com dados do Destination Insight, ferramenta de Big Data da Amadeus criada para os destinos turísticos traçarem suas estratégias baseados em dados.

O percentual, claro, está diretamente ligado ao interesse dos brasileiros pela Copa, que será realizada na Rússia, com início no dia 14 de junho. Dados da ferramenta apontam que as reservas começaram a ser feitas em novembro, mas se intensificaram muito em dezembro de 2017 após o sorteio dos grupos, quando cada seleção passou a saber exatamente as datas e locais dos jogos na primeira fase.

“Esse crescimento reflete algum otimismo dos torcedores em relação ao potencial da seleção. Também pode ter sido puxado pelo fato de que a Rússia não é um dos destinos mais procurados por aqui, também por conta da distância. Assim, um fato eventual e de enorme relevância como a ocorrência de uma Copa do Mundo impulsiona ainda mais o crescimento ano contra ano”, analisa Paulo Rezende, diretor da Amadeus Brasil. 

Vizinhos na frente

Mas, apesar do forte crescimento de reservas para a Rússia, o Brasil ainda está atrás de outros países latino-americanos. O levantamento revela que o aumento consolidado de reservas é 276%, em 2018. Isso deixa o país em quinto lugar no ranking, atrás de Peru, com 2044% de aumento, seguido de Colômbia (856%), Argentina (768%) e México (634%). Todos esses países participarão do Mundial.

“Não são números negativos. Os quatro países, economicamente menores que o Brasil, têm menos reservas orgânicas para a Rússia. Ou seja, crescem mais porque partem de uma base baixa. Também por isso nós temos maior crescimento que países asiáticos e europeus, que estão perto de lá e já possuem um fluxo mais contínuo de visita ao território russo. Além disso, há o fator da novidade. O Peru não disputava uma Copa desde 1982. Existe toda uma geração que está tendo essa oportunidade pela primeira vez e não sabe se terá outra, diferentemente dos brasileiros, que até hoje participaram de todas as Copas”, avaliou Rezende.

Panorama global

Mesmo com o grande crescimento de reservas para a Rússia, Moscou está apenas no 41º lugar em cidades buscadas por parte dos brasileiros. A cada pesquisa pela capital russa, sete pessoas buscaram Lisboa e outras cinco cotaram voos para Miami, Orlando, Santiago, Nova York e Buenos Aires.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.