Dia de comemorar

Conheça oito destinos para quem aprecia cachaça

Maranguape, no Ceará, faz parte da rota nacional da Cachaça. Paraty, Ouro Preto e Salinas são alguns municípios que também preservam engenhos históricos e marcas consagradas

17:16 · 13.09.2017 / atualizado às 17:32

Ela tem diferentes nomes. Pinga, branquinha, marvada... Pode ser servida como dose, em drinques ou até mesmo fazer parte de pratos. Fato é que, no Brasil, muitos não resistem a uma boa aguardente. Para os apreciadores da bebida, todo 13 de setembro é dia de comemorar: foi nesta data, em 1661, que os donos de alambiques e canaviais se rebelaram contra os portugueses que anos antes proibiram a fabricação e venda do destilado em todo território nacional. Hoje, a ocasião pede celebração. Então que tal conhecer um roteiro turístico perfeito para brindar? Confira oito destinos onde a cachaça é a atração.

Maranguape (Ceará)

maranguape

Localizada na Região Metropolitana de Fortaleza, Maranguape já abrigou a fábrica da Ypióca, uma das mais importantes do Estado. O passado como fabricante de cachaça ficou marcado e hoje é atração no complexo turístico na cidade, o iPark (ipark.tur.br), com área verde, restaurante, tirolesa, trilhas e um espaço para atividades radicais. O parque fica no pé da Serra de Maranguape, a cerca de 30 quilômetros de Fortaleza e está comemorando 17 anos. 

O casarão colonial construído em meados do século 19 abriga o Museu da Cachaça, uma das principais atrações do iPark Complexo Turístico. O espaço reúne um rico acervo de mapas, documentos, fotos, filmes, maquinários e tonéis de bálsamo para contar a história de uma das cachaças mais tradicionais do Brasil, que começou a ser fabricada pelo imigrante português Dario Telles, quando chegou ao Brasil em 1846. Na parte externa do museu está o maior tonel de madeira do mundo, com capacidade para 374 mil litros, registrado no Guinness Book em 2003. O iPark funciona de quinta a domingo, das 10h às 17h, e os ingressos custam R$ 32,00 (inteira) e R$ 16,00 (meia).

Paraty (Rio de Janeiro)

Paraty

A cidade fluminense foi a principal produtora de cachaça durante o período colonial.Atualmente, a cultura da cachaça está estampada não somente nos engenhos rurais, mas também em seu Centro Histórico. O município celebra anualmente um dos mais importantes festivais da cachaça do Brasil, que geralmente acontece no mês de agosto. Ainda há cerca de dez engenhos que produzem aguardente artesanal na cidade. 

Salinas (Minas Gerais) 

Salinas

Para muitos, esse é o melhor lugar para se experimentar uma autêntica cachaça mineira. O município, situado no Vale do Jequitinhonha, possui mais de 80 alambiques que produzem algumas das mais tradicionais bebidas do Brasil, incluindo marcas como Salinas, Seleta e Havana. A cidade é palco de importantes eventos, como o Festival Mundial da Cachaça, comemorado durante o mês de julho. A cidade ainda dispõe de um gigantesco museu e é a pioneira em curso superior para a formação de mestre alambiqueiro. 

Ouro Preto (Minas Gerais)

ouro

Os mineiros sabem mesmo como preservar a tradição. No município turístico, ainda se encontram  alambiques artesanais. Nas ladeiras do Centro Histórico, os casarões coloniais abrigam bistrôs, cachaçarias e bares que oferecem um variado menu de cachaças. 

Tiradentes (Minas Gerais)

Tiradentes

A cidade histórica também possui engenhos centenários que preservam o processo artesanal de fabricação. No Centro Histórico é possível apreciar centenas de rótulos nos bares e nas cachaçarias que exibem com orgulho a legítima cachaça mineira. 

Brumadinho (Minas Gerais)

 brumadinho

Localizada na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a cidade, famosa por abrigar o Instituto Inhotim, também se destaca na produção de cachaça, com alguns rótulos consagrados. O assunto é levado tão a sério que foi estruturada uma Rota da Cachaça, onde é possível acompanhar o processo de produção e envelhecimento das aguardentes.

Betim (Minas Gerais) 

Betim

Uma das grandes atrações da cidade está relacionada com a cachaça. A Vale Verde - uma das marcas consagradas da bebida -, abre as portas de seu alambique para visitação. Além de degustações e passeios guiados para acompanhar a produção, o local também conta com um grande parque ecológico, com cachoeiras, bosques, tirolesa e playground. 

Morretes (Paraná) 

Morretes

Quem disse que o Sul do País só tem vinho? A cidade paranaense também conta com alambiques consagrados no cenário nacional. Aliás, a Porto Morretes, produzida no município, já foi eleita a melhor cachaça do Brasil. Com agendamento prévio, os visitantes que desejarem poderão visitar a fábrica.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.