Impacto

Companhia aérea estima perda de R$ 50 milhões com a greve

Durante o período da paralisação que afetou o País, a Azul Linhas Aéreas teve 169 voos cancelados devido à falta de querosene de aviação em vários aeroportos brasileiros

14:59 · 01.06.2018 / atualizado às 15:29
azul
A empresa cancelou 169 voos por falta de querosene nos aeroportos, durante a greve dos caminhoneiros

A empresas de aviação que atuam no mercado brasileiro começam a dimensionar o tamanho do prejuízo causado pela paralisação nacional dos caminhoneiros. Nesta sexta, 1, a Azul Linhas Aéreas anunciou que o impacto operacional e financeiros foi da ordem de R$ 50 milhões

A empresa confirma que, durante a greve, foram cancelados 169 voos de um total de 2.637 voos, operados entre 24 e 27 de maio, em função da falta de querosene de aviação em vários aeroportos brasileiros. Além disso, devido ao aumento dos cancelamentos e não-comparecimento de passageiros, a companhia acabou reduzindo 523 voos, entre 28 de maio e 3 de junho. 

John Rodgerson, CEO da companhia aérea, explicou que todos os esforços foram feitos para diminuir os transtornos durante as viagens. "O alcance e conectividade de nossa malha e nossa estratégia de frota diversificada foram fundamentais para minimizar o impacto” declarou. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.