Volta ao mundo

Barco movido a hidrogênio é batizado em Paris em sua primeira parada

Em sua parada de estreia na viagem de volta ao mundo, o Energy Observer, barco com emissão zero de poluentes, ganha festa de batismo na França

09:30 · 11.08.2017
paris
Batismo do Energy Observer aconteceu em Paris

O Energy Observer, o primeiro barco movido a hidrogênio e autossuficiente com emissões zero, fez sua primeira prada na cidade de Paris, onde foi batizado na presença de autoridades importantes como Anne Hidalgo, prefeita de Paris; Nicolas Hulot, Ministro da Transição Ecológica, defensor e promotor do navio; Florence Lambert, diretor do CEA-Liten e patrocinador do navio; e Bertrand Piccard, Presidente da Fundação Impulse Solar. 

Depois de deixar o porto de Saint-Malo, na França, em 26 de junho de 2017, o Energy Observer foi para Paris, onde permaneceu antes de partir em uma odisseia mundial de seis anos. O passeio abrange 101 portos de escala em 50 países (incluindo o Brasil) e tem como objetivo demonstrar que é possível um futuro mais limpo, tanto para a humanidade quanto para o ambiente.

Navio de hidrogênio 

Depois de um longo período em mar aberto sob uma variedade de nomes, o catamarã, abastecido por energia renovável e hidrogênio é um verdadeiro pioneiro nas energias do futuro. O "Energy Observer é um barco de corrida lendário, que foi redesenhado como um navio do futuro", afirma Victorien Erussard, capitão e presidente da empresa fabricante. "O hidrogênio, a mais recente energia limpa, está no coração de nosso projeto. O navio é capaz de produzir seu próprio hidrogênio a bordo, da água do mar, usando um sistema integrado que permite a utilização de várias fontes de energia renovaveis, sem afetar o meio ambiente. O objetivo é conseguir a autossuficiência energética", acrescenta. "Esperamos contribuir promovendo essa transição energética e inspirando empresas, autoridades locais, governos e indivíduos. Um futuro mais limpo é possível graças às inovações tecnológicas".

Florence Lambert, diretora da CEA-Liten, um instituto especializado em pesquisa de tecnologias de energia renovável e nanociência, diz: "estamos caminhando para uma verdadeira revolução na área de energia. Este navio atuará como um acelerador para o progresso em tecnologia e pesquisa para aplicações na indústria. Sem dúvida, o Energy Observer é um laboratório de pesquisa vivo e flutuante, que nos permitirá testar tecnologias projetadas pelo CEA-Liten em ambientes marinhos, além de desenvolver soluções para combater as mudanças climáticas e, em longo prazo, tornar-se um canal para empregos focados em sustentabilidade".

Odisseia

mapa

Durante toda a viagem, o Energy Observer pretende alcançar homens e mulheres comprometidos com um futuro mais verde. Também desempenha um papel importante nos meios de comunicação como o tema de um documentário que visa inspirar e liderar a transição para estilos de vida mais verdes. "Este projeto é uma maneira de passar da observação para a ação e recuperar a tradição de exploração abordando-a de uma forma completamente diferente. Hoje, estamos nos esforçando para pavimentar o caminho para um futuro mais limpo, e gostaríamos de compartilhar nossas soluções com o maior número possível de pessoas por meio de documentários, conteúdos online, mídias sociais e aldeias onde vamos parar durante a viagem. Nosso objetivo é descobrir soluções inovadoras que respeitem o meio ambiente e reunir todos aqueles capazes de fazer uma contribuição," explica Jérôme Delafosse, Expedition Leader do Energy Observer e documentarista.

Como funciona

O Energy Observer possui 120 m² de painéis solares, duas turbinas eólicas de eixo vertical, uma pipa de tração inteligente e dois motores elétricos que podem ser convertidos em hidrogeradores. Essa mistura de energia faz da embarcação a primeira no mundo capaz de produzir seu hidrogênio a partir da água do mar.  Os primeiros portos de escala são na França, começando em Paris neste verão e terminando em Mônaco em dezembro.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.