Turismo religioso

2 milhões de pessoas partipam do Círio de Nazaré, em Belém

A capital paraense será palco, neste fim de semana, de uma das maiores procissões religiosas do País. Mais de dois milhões de pessoas são esperadas na romaria deste domingo, dia 8

10:00 · 08.10.2017

As ruas e as casas de Belém, no Pará, já estão enfeitadas e preparadas para receber aquele que é o maior e mais importante evento do ano na cidade: o Círio de Nazaré. A celebração em homenagem à Nossa Senhora de Nazaré, padroeira do Pará e Rainha da Amazônia, chega à 225ª edição e leva para as ruas da capital paraense mais de dois milhões de pessoas apenas na procissão principal, realizada no domingo, dia 8. Para muitos, o Círio é considerado o Natal do paraense.

Realizada todos os anos, sempre no segundo domingo de outubro, a celebração emociona locais e turistas que fazem questão de demonstrar toda sua fé e devoção à Nazinha, como a santa é carinhosamente chamada pelo povo da região. 

Cada etapa da celebração é pensada com cuidado, desde a escolha do manto que irá envolver a imagem - ele muda a cada edição - passando pelo lançamento do Cartaz Oficial das celebrações. O tema da procissão deste ano é “Maria, Estrela da Evangelização”

Um dos momentos mais bonitos da extensa programação de homenagens à santa é a procissão fluvial que acontece no dia anterior ao grande cortejo. Cuidadosamente instalada em um navio da Marinha do Brasil, a imagem atravessa as águas da Baía do Guajará, abençoando ribeirinhos e fiéis que aguardam ansiosos pelo momento de ver Nazinha passar. O chamado “Círio das Águas” é acompanhado por centenas de barcos, lanchas, balsas e veleiros até a chegada da imagem na Estação das Docas, um dos pontos turísticos da cidade.

À noite, milhares de velas iluminam o caminho da Berlinda que transporta Nossa Senhora de Nazaré. A estimativa é que mais de um milhão de pessoas acompanhem o trajeto. Durante todo o percurso, fogos de artifício e muitas homenagens à padroeira do paraense. Uma curiosidade marca esse momento da festa.

Ao passar pela Praça da República, rumo ao ponto de partida no domingo, a área frente do icônico Theatro da Paz vira palco da tradicional Festa da Chiquita, realizada desde a década de 70, e que reúne o público LGBT, simpatizantes e personalidades da cultura paraense, além dos visitantes.

A grande procissão

É com o raiar do dia 8 que visitantes e turistas começam a ter a dimensão completa do que o Círio de Nazaré representa para devotos. Fiéis e turistas se concentram na Catedral da Sé, de onde sai o cortejo, rumo à Basílica de Nossa Senhora de Nazaré em um percurso de 3,6 quilômetros.

Mais de dois milhões de pessoas acompanham a imagem e aproveitam para prestar homenagens, agradecer e pagar promessas. Aliás, os promesseiros são parte fundamental da procissão com esculturas de casas, partes do corpo em cera, barcos de miriti - artesanato típico da região e que reforça a importância do meio de transporte para a comunidade ribeirinha.

Uma das cenas mais emblemáticas de todo o cortejo são os fiéis que, agarrados à corda que leva à Berlinda, suportam as altas temperaturas e a multidão para ficar um pouco mais perto da santa. Cada espaço mínimo na corda de 400 metros de comprimento e 50 milímetros de diâmetro é altamente disputado pelos romeiros. Levar o pedaço do objeto para casa é sinônimo de proteção, além de recordação.

Ao final da procissão, em meio à emoção e fé, os paraenses participam do famoso almoço em família e celebram a data com a degustação dos famosos pratos típicos locais como o Pato no Tucupi, açaí, maniçoba e vatapá.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.