Estudo

Receita do mercado de tablets cresce 11% no primeiro trimestre de 2018

Para 2018, a expectativa da IDC é de que o mercado de tablets ainda enfrente muitos desafios e feche em queda de 4% em relação ao ano inteiro de 2017

09:55 · 19.06.2018 / atualizado às 09:57
Tablets
( Foto: Shutterstock )

O mercado brasileiro de tablets demonstrou reação no primeiro trimestre de 2018. Segundo dados do estudo IDC Brazil Tablets Tracker Q1, realizado pela IDC Brasil, entre os meses de janeiro e março foram comercializados 768 mil aparelhos, ou seja, 0,1% a mais do que no mesmo período de 2017, quando foram vendidos 767 mil dispositivos. Embora o crescimento seja pequeno, a receita foi 11% maior neste ano, registrando R$ 403 milhões contra R$ 363 milhões em 2017. O tíquete médio passou de R$ 473, em 2017, para R$ 525 em 2018.

“Como o mercado de tablets vinha de quedas consecutivas, os crescimentos de 0,1% em volume e de 11% em receita são significativos, principalmente porque refletem um movimento interessante no mercado. Isto é, se nos anos de maior volume de vendas havia uma infinidade de modelos e marcas e um consumidor nem sempre vivendo uma boa experiência com esses produtos, agora o que se vê são menos fabricantes investindo em tablets, mas são dispositivos com mais recursos e preços mais alinhados”, diz Wellington La Falce, analista de mercado da IDC Brasil.

Para 2018, a expectativa da IDC é de que o mercado de tablets ainda enfrente muitos desafios e feche em queda de 4% em relação ao ano inteiro de 2017. “O segundo semestre deve ser marcado por muitas incertezas no país e, consequentemente, as companhias terão de rever suas estratégias e até aumentar os preços, caso o dólar suba demais”, justifica o analista da IDC.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.