Cerco

Google diz que bloqueou contas por campanha de desinformação ligada ao Irã

O gigante tecnológico bloqueou 39 canais do YouTube com "vídeos relevantes" vistos 13.466 vezes nos Estados Unidos e desarticulou seis contas no Blogger e 13 na rede social Google+

07:26 · 24.08.2018 por AFP
Google
( Foto: Lionel Bonaventure/AFP )

O Google informou nesta quinta-feira que bloqueou canais no YouTube e outras contas devido a uma campanha de desinformação vinculada ao Irã, depois de ações semelhantes do Facebook e Twitter

"Identificamos e cancelamos várias contas vinculadas à organização IRIB (rádio e televisão estatal iraniana) que disfarçavam sua conexão com esse veículo", declarou o vice-presidente do Google, Kent Walker, em comunicado, observando que esse tipo de operação de interferência viola as políticas da empresa.

"Os atores envolvidos neste tipo de operação de influência violam nossas políticas e rapidamente eliminamos tais conteúdos dos nossos serviços e fechamos suas contas".

Google destacou que trabalha com a empresa de segurança digital FireEye, que vinculou as contas à IRIB e as associou a uma operação que remonta ao menos a janeiro de 2017.

O gigante tecnológico bloqueou 39 canais do YouTube com "vídeos relevantes" vistos 13.466 vezes nos Estados Unidos e desarticulou seis contas no Blogger e 13 na rede social Google+.

O Google é o mais recente grande ator tecnológico a enfrentar as campanhas de desinformação com origem na Rússia e no Irã cujo objetivo é semear confusão e discórdia entre os eleitores americanos antes das eleições legislativas de novembro.

"Além da informação que recebemos do FireEye, nossos equipamentos investigaram um leque mais amplo de atores suspeitos vinculados ao Irã e relacionados a esta campanha".

Google também informou ter bloqueado os ataques patrocinados por Estados que enviavam mensagens falsas aos usuários de seu serviço gratuito de email, em uma tentativa de obter senhas.

Um relatório da FireEye divulgado nesta quinta-feira informa que "a atividade descoberta destaca que múltiplos atores continuam participando e experimentando operações de influência online, usando as redes sociais como meio para moldar um discurso político".

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.