noa EUA

Estudante é preso após hackear colégio

O jovem de apenas 16 anos invadiu o sistema educacional do município e alterou as suas notas e de pelo menos outros 10 estudantes

09:26 · 19.05.2018
hacker
Com um e-mail falso, o rapaz atraiu professores para um site fraudulento. Com o usuário e senha de um único docente, o rapaz conseguiu acesso ao sistema de notas do colégio e alterou ( Foto: Allan de França )

A Polícia da cidade de Concord, localizada no Estado norte-americano da Califórnia, prendeu um estudante na última quarta-feira (9) acusado de invadir o sistema municipal de ensino e mudar notas. O jovem de apenas 16 anos, que não teve o nome revelado, mudou as suas notas, bem como as de outros estudantes.

Segundo informações da polícia da cidade, as autoridades ligaram para o Serviço Secreto dos EUA requisitando uma força-tarefa depois de terem recebido o relatório sobre a invasão. O estudante usou e-mails falsos para atrair professores à um site fraudulento e conseguir seus usuários e senhas. De posse das credenciais, ele fez alterações nas suas notas e nas de outros estudantes, aumentando algumas e diminuindo outras. A polícia acredita que notas de pelo menos 10 alunos foram modificadas.

Com mandatos, as forças de segurança conseguiram obter o endereço IP do e-mail que levava ao site de falso para em seguida ir atrás de endereços residenciais. Os oficiais levaram consigo um cão farejador especializado em encontrar eletrônicos escondidos, que localizou um pendrive dentro de uma caixa de tecidos. A polícia não revelou o conteúdo da unidade de armazenamento, mas provavelmente está ligado ao caso.

Após a prisão, o jovem foi liberado para aguardar a data do julgamento em casa. Um porta-voz do Distrito Escolar Unificado de Mount Diablo disse que o estudante foi suspenso. O caso lembra o de Konrads Voits, que invadiou o sistema de computadores de uma penitenciária e modificou registros de prisioneiros na tentativa de libertar um detento mais cedo.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.