perfil

O saber como terapia

Amante dos estudos desde a infância, Raquel Machado tem um modo preferido de exercer os conhecimentos da área do Direito: nas salas de aula da Universidade Federal do Ceará (UFC)

00:00 · 07.04.2018
Image-0-Artigo-2383394-1
Raquel Machado é professora na Faculdade de Direito da UFC ( Foto: Eduardo Queiroz )

Títulos não a faltam. Escritora, mestre, doutora, pós-doutora, advogada. Apesar do vasto leque de possíveis identificações e tratamentos, Raquel Machado, 38, tem preferência e apreço especial por um: o de professora. O amor que possui pelo ato de ensinar tem raízes fincadas e nutridas desde a infância, quando passava incontáveis horas folheando os livros da biblioteca do pai. "Eu sempre gostei de estudar, muito mais por prazer do que por obrigação. Para mim, estudar é mágico, é uma terapia", revela.

A cearense chegou a advogar na área tributária, mas o conforto e a rentabilidade não pareciam suficientes: ela sentia falta de um mundo mais diverso e uma forma mais dinâmica de ver a vida. Foi imergindo na rotina acadêmica que encontrou o que procurava, inclusive o seu lugar e papel no mundo. Hoje, graduada e mestre pela Universidade Federal do Ceará (UFC), doutora pela Universidade de São Paulo (USP) e professora da Faculdade de Direito da UFC, Raquel vive um eterno processo de ensinar e aprender (ou aprender ensinando, como ela diz), e admite: não se vê fazendo outra coisa da vida.

Academia

Levou um café e umas horinhas de conversa para perceber - pela fala incisiva e pelo brilho nos olhos - a entrega de Raquel à vida acadêmica. A paixão vai muito além de simplesmente dar aula, e compreende uma relação de troca constante, descrita pela própria como a sua motivação. "Os alunos me rejuvenescem muito. Eu convivo com pessoas que têm real interesse em aprender e me instigam, porque as perguntas deles me motivam a estudar ainda mais", explica a professora.

O comprometimento levou a relação professor-aluno para fora dos limites da sala de aula. Raquel é líder e orientadora do grupo de pesquisa e extensão "Ágora", que promove encontros mensais abertos ao público, discutindo temas como a democracia no Brasil e o papel da mulher na política. O projeto também possibilita que os alunos da Faculdade de Direito deem aulas relacionadas à cidadania em escolas de ensino médio, preferencialmente as públicas.

Perspectivas

Em um contexto de descrença por considerável parte da população quanto às áreas política e jurídica do País, formar advogados e futuros juízes é certamente desafiador. "Nós sempre discutimos criticamente o papel deles como profissional e a importância da ética nesse meio de atuação. Infelizmente, a política vive um momento muito ruim, e o poder judiciário tem uma colaboração nesse cenário".

A professora ainda reforça o vicioso vínculo entre os problemas sociais e políticos. "Como que uma pessoa que passa fome vai ter uma ética forte quando tem a chance de vender o voto?", exemplifica.

Figura-modelo

Consciente e crítica dos problemas da modernidade, e ainda assim esperançosa quanto ao futuro, Raquel Machado é uma figura que serve de exemplo, mas daqueles que transcendem a óbvia questão profissional: é exemplo de gente que sabe viver e enxerga nas relações humanas a capacidade de construir coletivamente um mundo melhor.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.