Frances McDormand

Furacão Frances

Durante a cerimônia do Oscar, a vencedora do prêmio de melhor atriz, Frances McDormand, fez um discurso poderoso que se confunde com a força da própria personagem que lhe rendeu a estatueta

00:00 · 17.03.2018

Marcante, expressiva, de riso frouxo e até meio desengonçada para alguns. Esta foi a norte-americana Frances McDormand ao subir ao palco da cerimônia do Oscar para receber a estatueta de melhor atriz pelo filme "Três Anúncios Para um Crime".

Protagonista de um dos momentos expoentes da cerimônia, Frances levantou todas as mulheres indicadas da plateia e fez um potente discurso sobre questões de igualdade na indústria cinematográfica. Ela terminou sua fala mencionando a "inclusion rider", cláusula que pode ser exigida nos contratos de artistas para garantir o mínimo de diversidade no elenco e na equipe técnica.

Embora acirradíssima, com nomes de peso como Sally Hawkings ("A Forma da Água") e, claro, Meryl Streep ("The Post") na concorrência, a disputa já tinha McDormand como favorita. Isso porque a atriz já havia sido premiada nas categorias que disputou no SAG Awards e no Globo de Ouro, premiações que servem como espécie de termômetro para o Oscar.

Três Anúncios Para Um Crime

Indicado a sete categorias do Oscar, o filme do diretor Martin McDonagh levou para as telas do cinema de todo o mundo uma realidade pungente na vida das mulheres: a violência sexual. Na película, Frances dá vida a Mildred Hayes, uma mãe durona, inconformada com o descaso da polícia em relação ao estupro e assassinato de sua filha e que faz de tudo para conseguir justiça.

Em tempos de movimentos que reafirmam os direitos da mulher - como o "Time's Up" e o "#MeToo", que expõem a dimensão do assédio e aos quais muitas artistas hollywoodianas aderiram, após a explosão de denúncias contra o produtor Harvey Weinstein -, Três Anúncios Para um crime se fez necessário.

Para além do show à parte de Frances McDormand e das ótimas atuações de Woody Harrelson, indicado ao Oscar de melhor ator coadjuvante e Sam Rockwell, vencedor da mesma categoria, o longa é notável principalmente por ser verossímil.

Trajetória

Frances McDormand nasceu em 1957, no estado de Illinois, Estados Unidos. Graduou-se em teatro, em 1979, e se tornou mestre em Belas-Artes da Escola de Teatro da Universidade de Yale.

A estreia no cinema se deu em 1985, na produção "Gosto de Sangue", dos cineastas estadunidenses Ethan e Joel Coen (com quem Frances é casada).

Hoje, aos 60 anos, a americana já foi duas vezes vencedora do Oscar de melhor atriz e acumula no currículo filmes importantes, como "Mississippi em Chamas" (1988), "Fargo" (1997) e "Queime Depois de Ler" (2008).

Apesar de não ser tão conhecida pelo público, Frances McDormand se tornou referência em Hollywood. Sem performar a tão exigida feminilidade e, ainda assim, bela à sua maneira e com personalidade de sobra, Frances é mais do que talentosa. É ímpar.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.