coluna

Márcia Travessoni: Tradição

Márcia Travessoni (Gente)

marcia.travessoni@diariodonordeste.com.br

00:00 · 06.01.2018

Se tem legado que se renova a cada ano, um deles certamente é o Réveillon no Belmond Copacabana Palace, no Rio de Janeiro. Na última edição, a festa - capitaneada pela diretora do hotel, Andréa Natal, no centro do clique com Paulo Bandeira de Mello, Kiki Perelmuter, Adriana Almeida e Ana Cristina Villaça - se dividiu pelos espaços e restaurantes do hotel, com vista privilegiada para a orla.

Em família

Em duas edições, o Museu da Fotografia Fortaleza (MFF) realiza Oficina Educativa para Pais e Filhos, nestes dias 6 e 7, das 14h às 16h, com atividades como colagens e intervenções em reproduções das obras expostas, envolvendo pais, mães e filhos. As inscrições são gratuitas.

Bastidores

Filhos de Ana Cláudia e Francisco Augusto Viana Jr e de Nádya e Dão Cabral, Carla e João casam-se ao pôr do sol do dia 20, no Dayô Hotel, em Flecheiras. Ieda Pinheiro à frente do cerimonial.

Hóspedes do Belmond Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, Regina Alice e Danísio Correa comemoram o aniversário dela jantando no luxuoso Restaurante Cipriani. /// São também aniversariantes deste fim de semana Alexandre Leitão, Tânia Holanda, Eugênio Pequeno, Fernandinho Travessoni, Sandra Rolim, Luzia Castelo Branco, Amauri Paula Pessoa, Naura Franco e Luciana Pearce.

Férias

Em viagem pela Ásia, Rebecca e Cândido Albuquerque, com as filhas, passaram o ano novo em Bangkok . ///De férias com a família, Híder Ponte iniciou o ano curtindo os ares da famosa praia de Canoa Quebrada.

Para saudar o novo ano, Dulce e João Freitas Jr. Receberam dia 31, em seu apartamento, familiares vindos dos Estados Unidos e São Paulo: Julieta e Denis Letner, Anick e Eduardo Monteiro, além de Marister e Renato Barroso, Erick, Lu e Freitas Neto, Gustavo e Melissa Rizato Pinho.

Denise Montenegro e filhos, Maria Luiza Alcântara e Cláudia Romcy - que vieram de São Paulo -, Régia e Alexandre, Graça e Jorge Romcy, Névia e Hermano Franklin, Romélia e Carlos Martan saudaram 2018 em Flecheiras.

O melhor do ano novo

Ivan Bezerra Filho, Afrânio Barreira, Francisco Marinho, Etevaldo Nogueira, Ivo Machado e Célio Thom Idézio e Maryana Rolim (1)

O Ceará brilhou entre as melhores festas de Réveillon. Em Miami, Afrânio e Daniela Barreira reuniram um time de cearenses no novo Coco Bambu e celebraram, com nossa típica animação, a chegada de mais um ano. Ex-participante do The Voice Brasil, Thaís Moreira embalou a noite com sua voz.

Preta Gil

Em Jericoacoara, as belezas naturais e o luxo rústico do hotel Vila Kalango encantaram várias celebridades que elegeram uma das mais famosas praias do País para receber 2018. Entre as convidadas ilustres, a cantora Preta Gil - que se apresenta na Capital dia 13, no Bloquinho Charmoso, o pré-Carnaval do Shopping Iguatemi. O show começa às 15h e terá ainda apresentações do grupo Fit Dance e Tome Batom Vermelho.

Destaque

Cláudio e Suyane Dias Branco

Depois de comemorar o chegada de 2018 no Golf Ville, Cláudio e Suyane Dias Branco preparam a comemoração familiar do aniversário dele, dia 14

Direitos

Com ampla vivência na área da Saúde Mental, a psicóloga Natália Rios assumiu recentemente a Coordenadoria Especial de Políticas para Mulheres de Fortaleza, onde espera incluir cada vez mais a participação feminina na sociedade civil.

Image-0-Artigo-2345672-1

Quais são as ações promovidas pela Coordenadoria Especial de Políticas para as Mulheres de Fortaleza?Nosso trabalho é pautado em cinco eixos: necessidade de mais igualdade nas relações de trabalho e de maior autonomia econômica e financeira; garantia de acesso à educação inclusiva e não discriminatória; saúde integral e direitos sexuais e reprodutivos; maior participação das mulheres nos espaços decisórios; e enfrentamento e combate a todo tipo de violência contra as mulheres. Nesse sentido, apoiamos e fortalecemos grupos produtivos de mulheres da economia solidária e estamos desenvolvendo projetos para qualificar a mulher para que exerça atividades rentáveis. Em parceria com associações de bairro, realizamos rodas de conversa que levam informações e sensibilizam a população em relação às questões que transgridem a condição da mulher cidadã. Junto à Secretaria Municipal de Saúde, implementamos todo um programa de assistência à mulher. Dispomos do Conselho Municipal da Mulher, que formula diretrizes e propõe políticas públicas de igualdade para as mulheres. E temos, vinculados à Coordenadoria, o Centro de Referência e Atendimento à Mulher Francisca Clotilde e a Casa Abrigo Margarida Alves, que recebe mulheres em risco iminente de morte.

Existem parcerias com núcleos desse tipo dos governos federal ou estadual?

Sim, claro! O trabalho desenrola-se de maneira transversal, A Rede de Atendimento à Mulher é composta pela Delegacia de Defesa da Mulher, Juizado da Violência Doméstica e Familiar, Núcleo de Enfrentamento à Violência contra a Mulher da Defensoria Pública, Núcleo de Gênero Pró-Mulher do Ministério Público e os Centros de Referência e Atendimento à Mulher, no município e no Estado.

Em nível municipal, quais os principais desafios a enfrentar, quando se fala em políticas para as mulheres?

O maior desafio, sem dúvida, é a plena conquista de direitos iguais entre os gêneros masculino e feminino, uma vivência em sociedade em que a mulher seja empoderada e liberta de padrões opressores patriarcais, sendo descredibilizadas as normas de gênero.

O feminicídio é uma pauta constante na luta das mulheres. De que forma a coordenaria trata desse assunto?

O feminicídio é o último grau de controle do homem sobre a mulher, na medida em que há o controle da vida e da morte. É a completa e total objetificação da mulher, ao passo que é tomada como puro e simplesmente objeto de posse do homem. O mais importante é dar visibilidade às mortes em razão de gênero, para enfrentar esse tipo de crime é necessário falar abertamente sobre ele. É o que temos feito nas rodas de conversa realizadas nas comunidades, quando divulgamos a Lei Maria da Penha. O objetivo maior é tirar esse crime da tipificação comum de homicídio, é tirá-lo da invisibilidade para que possamos com maior facilidade mapear a violência contra a mulher e, assim, aprimorarmos as políticas que visam preveni-la e coibi-la.

Quais são suas maiores motivações no trabalho?

Meu maior desejo é poder ser útil para as pessoas de um modo geral, e contribuir para a edificação de uma realidade melhor, mais justa e igualitária. O que me traz motivação todos os dias e crer na justiça social, na melhoria das condições daqueles que vivem de maneira precária, que direitos básicos como saúde, educação, trabalho e manifestação cultural podem ser garantidos a todos.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.