Coluna

Márcia Travessoni: Online

Márcia Travessoni (Gente)

marcia.travessoni@diariodonordeste.com.br

00:00 · 15.04.2017

Na contramão da perspectiva de vários setores e dos próprios consumidores - que ainda têm percepções negativas da economia, segundo o SPC Brasil - o e-commerce deve crescer até 12% este ano, na comparação com 2016, de acordo com as previsões da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Com isso, o faturamento deve alcançar R$ 59,9 bilhões, fruto de mais de 200 milhões de compras virtuais. É hora de apostar ainda mais no online!

Larissa Sendy - no centro do clique -foi uma das anfitriãs do sunset que marcou a inauguração da mais nova champanheria da Praia do Futuro. Para o encontro, ela convocou um time de influenciadoras digitais e fashionistas apaixonadas por suas criações em moda praia.

Image-0-Artigo-2225162-1

Em festa

Paula Frota e Afonsina Militão celebraram aniversário em encontro no ateliê de Luciana Marinho. Por lá: Excelsa Costa Lima, Jaqueline Maranhão, Cristiane Marinho, Regina Galvão, Anayde Gondim, Cristiane Levy, Jaqueline Mota, Maria de Jesus Castelo Branco e Viviane Oliveira.

São aniversariantes do fim de semana: Daniela Alcântara, Paulo Couto, Venúsia Ribeiro, Ângela Barros de Oliveira, Lima Matos, Bernadete Bezerra, Solange Philomeno e Lavínia Matos Dubanhevitz. /// Natália Saraiva e Daniel Silva Pelisson casam-se dia 22, na Igreja de Fátima. A recepção será no Salão Prattes do Teka's.

Bastidores

Para O casamento de Lohana Fontenele e Daniell Rios, o tio do noivo, Stênio Rios, veio de Itarema com a esposa, Clara Rios. Já Rebeca Rios, prima do noivo, veio de São Paulo para a festa - e encantou com um vestido assinado por Glória Coelho (1) e (4). /// Cadeh e Carlos Henrique Juaçaba e João Pedro Borges mal lançaram a marca de swim shorts e alguns modelos da grife já estão esgotados! As peças, desenvolvidas por Carlos e João Pedro, com estampas exclusivas criadas por Cadeh, estão disponíveis online e em pontos de venda selecionados na Capital (2). /// aproveitando a pausa de primavera nos estudos dos trigêmeos Lucca, Lissa e Luciano, que estão em intercâmbio na Suíça, Morgana Dias Branco está em tour pela Itália, visitando pontos históricos e amenizando a saudade dos filhos (3).

Image-1-Artigo-2228122-1

Stênio e Clara Rios (1)

Carlos Henrique e Cadeh Juaçaba e João Pedro Borges (2)

Image-2-Artigo-2228122-1

Lissa e Morgana Dias Branco, em frente ao Monumento Nazionale a Vittorio Emanuele II, na Piazza Venezia, em Roma (3)

Image-0-Artigo-2228122-1

Rebeca Rios Souza (4)

Logística

Image-0-Artigo-2228275-1

Responsável pela gestão de um dos equipamentos mais promissores para a economia do Estado, o diretor-presidente da Cearáportos, Danilo Serpa, tem aberto cada vez mais as portas - e berços - do Porto do Pecém para o desenvolvimento.

Sua carreira sempre foi ligada à política, até que você assumiu a presidência da Cearáportos. Como aconteceu essa mudança?

Não houve uma mudança, eu sou dessa área, vim da iniciativa privada. Trabalhei muitos anos com o Dr. Edgard Nadra Ary na área administrativo-financeira. Também fiz parte da Reijers Produção de Rosas, onde atuei como diretor-geral e participei do projeto de implantação da empresa aqui no Ceará. Em relação à minha atuação no Governo do Estado, sempre fui do executivo, nunca cargo político.

Você chegou na Cearáportos no momento em que a economia cearense foi ficando cada vez mais ligada aos avanços da região do Pecém, onde estão o porto e a siderúrgica. Como encarou essa responsabilidade?

Eu sempre gostei de desafios e me identifico muito com essa área de logística. Para mim, assumir a Cearáportos foi um presente.

Quais foram as metas que você definiu, na época, para a gestão do Porto do Pecém?

Assumi a Cearáportos em julho de 2015. Na época, o Porto do Pecém já passava pela segunda expansão. Além disso, a siderúrgica estava ficando pronta. Para mim, recém-chegado, era uma situação muito favorável, porém, quando me deparei com toda a infraestrutura criada pelo Governo do Estado do Ceará no Complexo Industrial e Portuário do Pecém (CIPP), percebi que não poderíamos nos contentar apenas com a siderúrgica. Neste momento, comecei a estudar quem poderia nos auxiliar neste processo de atração de novos investimentos para o complexo. Então, tive a ideia de buscar Roterdã, que é um dos portos mais experientes do mundo e o maior da Europa.

O que falta para o Porto do Pecém se transformar em um grande centro de logística internacional?

O Porto do Pecém está finalizando a sua segunda ampliação. Hoje, com toda a infraestrutura que oferecemos já exportamos placas de aço, que são produzidas pela CSP, para diversos países do mundo, como Estados Unidos, Itália, Turquia, Coreia, dentre outros, assim como as pás eólicas, frutas frescas também são enviados para fora do país. Então, hoje o porto do Pecém já é uma realidade no setor internacional, queremos somente fortalecer e aumentar essa movimentação.

Quais aspectos serão mais beneficiados com a parceria com o Porto de Roterdã?

O que me deixa mais entusiasmado nesta futura parceria são os estudos que serão realizados. Eles vão nos auxiliar no processo de atração de investimentos para o CIPP com todo know-how que possuem. Para mim, o principal beneficio dessa parceria é a atração de novos investimentos para o complexo, empresas com expertise em produção, que vão melhorar a mão-de-obra cearense. Imagine o porto holandês, com toda sua credibilidade e experiência, indicando o Ceará para empresários que atuam lá. Com certeza, esta parceria com Roterdã irá turbinar a atração de investimentos para o Estado.

Quem são seus inspiradores, na vida e no trabalho?

A minha inspiração na vida é minha esposa. Estamos juntos desde os 15 anos de idade e ela tem me acompanhado e apoiado em todos os momentos da minha vida. No trabalho, tenho três pessoas que são referência para mim: minha mãe; Roberto Reijers, um holandês que tive a oportunidade de trabalhar mais de 5 anos; e o ex-governador Cid Gomes.

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.