Coluna

Estrelas esquecidas: No princípio foi o verbo

Estrelas Esquecidas

A. CAPIBARIBE NETO - capi@globo.com

00:00 · 27.05.2017

No princípio foi o verbo, depois é que vieram os advérbios e os adjetivos. No princípio foi o verbo e os verbos eram poucos. Criar, povoar, proteger, reproduzir, entre outros e que conjugados apenas por Deus. No Gênesis, Deus não teve interferência para criar listas de pedidos bobos para atender. Muito depois, os verbos se multiplicaram e os homem começaram a se divertir com os verbos enganar, roubar, vilipendiar, superfaturar, oferecer, principalmente propina, ou aceitar essa propina.

Deus era onisciente, mas nem de longe imaginou que o homem, criado à sua imagem e semelhança, viesse ser tão cretino, tão sem vergonha, tão sem pudor e sem caráter. Talvez Ele tenha se arrependido de dar ao homem o livre arbítrio. Quando se deu conta, já era tarde, o homem já estava matando, tirando o pão das crianças, deixando-as sem escolas, sem saúde, sem proteção, morrendo na beira da praia ou sufocadas pelas bombas que nunca deixam de cair do céu.

E quando Deus disse "vinde a mim as criancinhas", notou que faltavam muitas. E lhe disseram que essas haviam morrido, que muitas tinham sido violentadas, abandonadas, esquecidas e foi quando Deus chorou. No princípio foi o verbo e o verbo estava com Deus e, em um descuido, talvez, Deus deu a palavra ao homem e o homem deturpou o verbo. E Deus quis consertar seus erros e chamou Moisés e lhe enviou uma tábua com as suas leis para que o homem as seguisse e o mundo pudesse ser perfeito: eram os dez mandamentos! Bastava segui-los para que ter justiça e harmonia.

E Deus disse: "Não terás outros deuses diante de mim", mas apareceram outros e esses foram venerados; "Não farás para ti imagem esculpida, nem figura alguma do que há em cima no céu, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás diante delas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso...", mas os homens encheram o mundo de imagens e atribuiram a essas imagens o dom de desatar nós, pagar contas, trazer a pessoa amada.

E Deus chorou de novo, em silêncio, com vergonha do homem que havia criado. E Deus disse mais: "Não tomarás o nome do Senhor teu Deus em vão; porque o Senhor não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão", mas o homem fez ouvido de mercador; e disse Deus ainda, "Seis dias trabalharás, e farás todo o teu trabalho, mas o sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Nesse dia não farás trabalho algum, nem tu, nem teu filho, nem tua filha...", mas muitos homens não trabalham nem dois e recebem com se dez houvessem e ainda dão emprego a filhos e parentes.

Deus pediu ao homem para "honrar a pai e a mãe...", mas todo dia Deus chora ao ver que bem poucos homens respeitam seus pais e muitos os abandonam em abrigos pelo simples fato de haverem cometido o pecado de haverem envelhecido. Deus disse: "Não matarás...!", mas todo dia, do nascer ao pôr do sol, Deus vê o homem matando seu semelhante e os que sobrevivem dão aos algozes a desculpa de que Ele deu livre arbítrio cada um deles.

E mais determinou Deus: "Não furtarás", mas o homem, ganancioso, rouba descaradamente todo dia e nem perdão pede, dizendo com a maior cara de pau que fez tudo dentro da lei sem o menor remorso. Quando Deus disse "não dirás falso testemunho contra o teu próximo", mesmo na Sua onisciência, jamais imaginou que, um dia, o homem abusasse tanto de desobedecer a esse mandamento e mentisse tanto. E quando finalmente Deus disse "não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo", jamais pensou que haveria um triplex ou um sítio ou um frigorífico enorme para estragar Seu mundo.

Deus tem chorado muito, não apenas por se dar conta de que o mundo que criou se transformou em verdadeiro lupanar e agora chora pela dúvida entre mandar outro meteoro como o que matou os dinossauros ou encontrar outro Noé e lhe dizer: "constrói depressa outra arca e te prepara. Vou começar de novo. Do zero!"

Últimos Artigos

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.