designer

A arte de Manolo

A criatividade é característica marcante dos luxuosos sapatos criados pelo designer espanhol Manolo Blahnik, idealizador da marca que não sai dos pés do público high-fashion

00:00 · 28.04.2018

Generalizações quase nunca funcionam, principalmente no mundo da moda, mas uma coisa é certa: dentre as inúmeras grifes renomadas ao redor do mundo, Manolo Blahnik é uma das expoentes quando o assunto são sapatos femininos. A brand leva o mesmo nome de seu idealizador, que há décadas é a mente criativa por trás dos objetos de desejos das fashionistas.

E não é só na vida real que a Manolo Blahnik faz sucesso entre as mulheres. Na premiada "Sex and The City", a série mais fashion que se pode imaginar, a protagonista Carrie Bradshaw é uma "viciada em Manolo" assumida. Essa exaltação ficcional é tão lembrada quando se fala na marca, que se concretizou na vida real. A atriz Sarah Jessica Parker, que interpreta a personagem, lançou, em 2014, a coleção SJP, em parceria com a grife que por tantos anos desfilou nas cenas do seriado norte-americano.

Assim como a estrela de Sex and The City, outros vários nomes compõem a lista de celebridades que compartilham a mesma paixão. Madonna já declarou, sem rodeios, que "um belo par de Manolo é melhor do que sexo, e duram até mais". Além delas, Lady Gaga, Kylie Minogue, Kate Moss e Anna Wintour (editora da Vogue norte-americana) assumiram publicamente a preferência pelas criações do designer - inclusive a icônica e saudosa Lady Diana.

Carreira

Nascido em 1942, nas Ilhas Canárias, filho de mãe espanhola e pai tcheco, Manolo Blahnik chegou a cursar Literatura e Arquitetura na Universidade de Genebra, na Suíça, mas largou os estudos quando se mudou para Paris, em 1968. Lá, estagiou na escola de arte do Museu do Louvre, apurando seu senso artístico. O estágio foi apenas a primeira de outras vastas experiências com a arte em suas diferentes formas.

Dois anos depois, mudou-se para Londres, onde trabalhou como fotógrafo para um jornal local. Foi nos anos 1970 que começou, de fato, a trajetória de sucesso. Antes de comprar a loja Zapata, em 1973, e lançar oficialmente sua grife, ele já desenhava modelos para nomes como Yves Saint Laurent, Calvin Klein, Christian Dior e John Galliano.

De lá pra cá, o prestígio só aumentou, mas a essência excêntrica, ousada e criativa de Manolo permanece a mesma. Aos 75 anos, a idade nem de longe é fator que interfere em suas atividades. Entre fitas, lantejoulas, plumas, cores, formas e texturas, Manolo Blahnik tem feito muito mais do que sapatos. Acima de tudo, ainda hoje, faz arte.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.