Feliz 50 anos, Magali!

Última personagem da turminha original a ser criada, Magali influencia e encanta a criançada

00:00 · 26.10.2014
magali
amanda rocha
Amanda e a mãe, Mágila, adoram a Magali. O momento da refeição ganhou até um nome novo em casa: "A hora da Magali" ( Foto: Helosa Araujo/ Agência Diário )
magali2
Ana Livia Paiva da Silva Lima posa com revistinha da personagem Magali ( Foto: Helosa Araujo/ Agência Diário )
magali3
Yasmin de Lima Brito, 2 anos, com seus produtos da Magali ( Foto: Fabiane de Paula/ Agência Diário )
nutricionista
Nutricionista Daniel Coimbra ( Foto: Divulgação )

Ela adora amarelo, tem um gatinho branco chamado Mingau e, mesmo magrinha, só falta não parar de comer, principalmente quando aparece melancia no cardápio. Sabe de quem estamos falando? Embora nos quadrinhos ela apareça com 7 anos, Magali, a personagem comilona da Turma da Mônica, está comemorando 50 anos de existência em 2014. 

Durante todo esse tempo, a melhor amiga da Mônica conquistou milhares de admiradores por todo o Brasil. Mágila Rocha, 40, é uma delas. A advogada é fã da personagem desde criança e essa afeição acabou sendo herdada pela filha, Amanda Rocha, de 2 anos.

Mas não foi só a Amanda que foi contagiada pela paixão de Mágila pela Magali. Dona do grupo de Facebook “Coisas de Mãe”, ela conta que acabou passando valorizando a personagem para as outra mães que fazem parte da página. Foi só publicar que queria fazer o aniversário da filha em homenagem à Magali que várias integrantes começaram a adotar a ideia e a produzir festinhas com o tema da comilona da turminha. Nisso, quem saiu ganhando foi Amanda, que recebeu vários presentes das “tias postiças” com a cara da heroína.

Mágila diz que, assim como ela, Amanda também apresenta algumas das características da Magali: gosta de animais, tem amarelo como cor preferida e adora comer. A hora das refeições, inclusive, ganhou um novo nome na casa, a “hora da Magali”. E como não poderia ser diferente, o prato preferido é melancia.

Quem também adora a fruta é Ana Lívia Paiva Lima, de 4 anos. A menina gosta tanto que até ensinou a irmãzinha de seis meses, Maria Eduarda, a comer melancia também. Segundo a mamãe Ticiana Nayara Paiva da Silva Lima, 28, a personagem foi usada para incentivar a filha a comer coisas mais saudáveis.

E tanta comida acaba estimulando a criatividade da menina. Embora ainda não saiba ler, é Ana Lívia quem inventa e conta as histórias dos gibis da Turma da Mônica. “A gente vai ler o gibi e ela toma a revista dizendo ‘não, não é assim’, e conta a história ela mesmo”, relata Ticiana.

Como Ana Lívia, Yasmin de Lima Brito, de 2 anos, também adora as revistinhas da turminha. Ticiane Lima Brito, 26, diz que lê os gibis para a filha todas as noites antes de colocá-la para dormir. Mas pela manhã as histórias são outras, todas saídas da cabecinha de Yasmin. “Ela pega a revista, senta e passa as folhas fingindo que está lendo”, conta a mãe.

Além das revistinhas, Yasmin também não desgruda das bonecas da Mônica e da Magali. Segundo Ticiane, a filha fica encantada com a dentucinha que patina e fica cantando e dançando com a comilona.

E com a palavra, Magali Souza! 

Os fãs da Turma da Mônica sabem que os personagens dos quadrinhos são inspirados na família e nos amigos do criador da turminha, Maurício de Sousa. Então, quem seria melhor para falar da Magali do que a pessoa que a inspirou, Magali Spada e Souza? A filha do Maurício e irmã da Mônica respondeu algumas perguntas para o Diarinho Plus. Confira!

Diarinho Plus: Qual foi a sua reação quando seu pai criou uma personagem inspirada em você?

Magali: Eu era muito pequena e nem percebi que a Magali era inspirada em mim. Meu pai também não ficava falando sobre. Ele queria que esse processo fosse natural.

D: A Magali dos quadrinhos tem uma avó cearense. Na vida real, a família Sousa tem algum parentesco nordestino?

M: Parece que pela família de meu pai tem uma ligação com a Paraíba.

D: Além de gostar muito de comer,  as outras características da personagem foram inspiradas em você (paixão por gatos, ser canhota, ser a pacificadora da turma, gostar de amarelo)?

M: Acho que a Magali tem tudo a ver comigo. Ama gatos, ama comer, gosta de paz, só que ela não envelhece e, infelizmente, eu sim! (risos).  Ah, e quase não uso amarelo nas roupas. Acho que não fico bem! 

D: Atualmente, qual a sua função na Maurício de Sousa Produções?

M: Atualmente não trabalho na MSP. Sou dona de casa, mãe, avó, namorada e faço meus desenhos que um dia, se Deus quiser e eu me mexer, serão conhecidos!!

D: Você já fez alguma interferência nas características da personagem? Quais?

M: Não costumo interferir. Posso até dar opinião, mas interferir não. Só quis interferir no nome do Mingau, mas não deu certo! Queria que chamasse Pizza. Igual meu gato da época.

D: Já sugeriu histórias?

M: Acho que nós, filhos, mesmo sem querer, sugerimos muitas histórias. 

D: A Magali (dos quadrinhos) sempre foi muito conhecida por comer muito de tudo. Já na Turma da Mônica Jovem, a personagem continuou com o apetite acentuado, mas desenvolveu uma preocupação maior com a alimentação saudável. Por que se deu essa mudança?

M: Porque antigamente era tudo mais natural, o mundo era diferente e hoje temos que tomar mais cuidado. Muitas novidades que podem interferir na saúde das pessoas. Por isso é preciso cada vez mais informação para uma boa alimentação.

D: Como está sendo a sua participação na comemoração dos 50 anos da personagem?

M: Estou tentando acompanhar tudo de perto. Fico muito emocionada e orgulhosa com tudo isso!

D: E a relação com os fãs, sejam eles crianças ou adultos?

M: Amo os fãs com todo o meu coração. A gente recebe tanto carinho deles que isso me enche de amor!! 

D: Atualmente, no Brasil, está havendo uma preocupação muito grande com o “politicamente correto”. Isso acaba interferindo na criatividade dos roteiristas? Por exemplo, sugerir que a Mônica incita violência por bater nos meninos, que o Cascão incentiva as crianças a não tomarem banho, o Cebolinha, a falar errado, e a Magali, a uma alimentação desregrada?

M: Acho que existem exageros na cobrança da produção cultural. Toda criança tem seus problemas que são retratados nos filmes, novelas, teatro, livros e quadrinhos. Ninguém é perfeito, mas aceitando seus defeitos poderá melhorar na vida. E no caso da Turma da Mônica a lição mais importante é demonstrar como os diferentes se aceitam. Veja que na Turma da Mônica Jovem o Cebola se tratou com uma fonoaudióloga; a Mônica ficou menos nervosinha; o Cascão já toma banho e a Magali toma mais cuidado com a qualidade da comida.

 Cuidado com a alimentação! 

Uma das características mais marcantes da Magali, da Turma da Mônica, é a fome que nunca acaba. A personagem é conhecida por comer muito de tudo, seja alimentos saudáveis ou não. Para o nutricionista Daniel Coimbra*, esse perfil acaba orientando, mesmo que indiretamente, hábitos alimentares errados para as crianças que gostam do desenho. O médico diz que a figura da Magali é vista pelos nutricionistas como “uma personagem que faz escolhas alimentares incorretas, de baixa densidade nutricional e que exagera nas porções”.

Para Daniel Coimbra, a alimentação correta deve ser estimulada nas crianças desde pequenas. A principal maneira de despertar o gosto pelas comidas saudáveis é através do exemplo dos pais, já que, geralmente, elas reproduzem os comportamentos observados em casa. Ou seja, pais que adotam uma dieta equilibrada geralmente têm filhos que comem de forma correta. 

Outro ponto importante é o encorajamento ao consumo de frutas inteiras ao invés de sucos, “pois a fruta contem fibras que podem ser perdidas no suco e regularizam o trânsito intestinal, além de previnir diversas outras doenças”, explica o nutricionista.

*Daniel Coimbra é nutricionista, com especialização em Nutrição e Exercício Físico pela Universidade Estadual do Ceará (Uece) e mestrado em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.