Desejo infantil

Um mundo melhor deve ter...Nuvem de algodão doce, casa na árvore e todas as famílias unidas e felizes. Esses e outros sonhos são compartilhados por crianças, às vésperas do dia dedicado a elas

00:00 · 11.10.2015
Image-0-Artigo-1945212-1
Tereza Isabela, 5 , sonha com um mundo sem violência e com mais amor ( fotos: Thiago Gadelha )

Entre sorrisos banguelas, olhares sinceros e abraços quentinhos, mãozinhas pequenas e inocentes desenham o imaginário de um mundo no qual se deve viver. Como quem acredita em uma realidade melhor que ainda vai haver.

Nuvens de algodão doce, chuva de sorvete, casas nas árvores e comida em todas as mesas. É assim que a pequena Beatriz Gurgel, 7, resume o mundo que deseja.

"Eu desejo um mundo onde todas as crianças sejam amadas, tenham uma mamãe", palavrinhas simples e tão carregadas de emoção do pequeno Anthony, que na sua pouca idade já sabe que nem todas as crianças tem a mesma sorte.

E sim, em meio a tantos desejos e muita criatividade, elas merecem mais do que um dia especial. Amanhã comemoramos o data delas, das crianças de todas as cores, raças e diferenças.

Renata Soares, consultora de comunicação do Fundo das Nações Unidas para a Infância, Unicef no Ceará, ressalta a importância de termos uma data no calendário própria para os pequeninos. "Doze de outubro foi criado para lembrar a importância de preservar a criança em meio à correria da vida adulta. Desde 1946 o Unicef vem dando sua contribuição para que meninos e meninas, de todas as partes do mundo, sejam tratados com atenção e cuidado. E no dia em que isso acontecer, todos viveremos mais felizes".

Assista ao vídeo

Direitos

Mas, para que a criança seja livre, ela precisa ser respeitada, amada, se sentir segura, protegida, ser ouvida e participar da vida da família e da comunidade onde mora. Precisa estudar em uma escola acolhedora, ter quem cuide de sua saúde, ter alimentação adequada e saudável. Garantir isso é papel de todos nós, da família e do Estado", complementa Renata.

Ser criança é assim, levar a vida com leveza, sem preocupações, sem o medo do desconhecido. Lara Marcelino Beviláqua, 8, acredita que ser criança é tudo isso e, vai além. "É também saber respeitar, amar e construir. É saber que nem tudo gira em torno do dinheiro, de brinquedos ou de coisas materiais. Ser criança é lembrar, para você que já é adulto, que um dia você foi criança, e que sonhou, e imaginou, assim como eu, que podemos construir um mundo melhor. E podemos", explica.

São grandes sonhos semeando um mundo melhor. Com olhos expressivos e saltitantes de esperança, Tereza Isabela de Almeida Vaz, 5, enquanto percorre o giz de cera entre os dedos desenhando sua pequena mão, fala da necessidade dos adultos de darem mais atenção às crianças, principalmente àquelas que não têm família.

"Ainda acho que tem muita criança na rua, e esse não é o lugar delas. Tem muita violência no mundo. As crianças precisam de uma família para amá-las, adotá-las e fazerem muitos amigos", afirma.

Saiba mais sobre o Dia das Crianças

A criação desta data tão especial no Brasil foi sugerida pelo deputado federal Galdino do Valle Filho, na década de 1920. Mas foi em 1924 que o então presidente Arthur Bernardes aprovou o decreto que definia 12 de outubro como o dia dos pequenos.

As comemorações da data como conhecemos hoje começaram nos anos de 1960, quando duas empresas se uniram em uma grande promoção que incentivou os pais a celebrarem com seus filhos este dia especial. Desde então, as atividades são propostas nas escolas, em casa e no comércio em geral, como forma de festejar o dia!

Em outros países também há o Dia das Crianças. Na Índia a data é 15 de novembro. Na China e no Japão o dia é 5 de maio. Em Portugal e Moçambique a festa é em 1º de junho.

Apesar destas diferenças, há o Dia Universal da Criança: 20 de novembro, data em que foi aprovada a Declaração dos Direitos das Crianças, elaborada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.