Aprendendo a ler

Teatro de fantoches, contação, piquenique e dramatização são incentivos para atrair a garotada para a leitura

00:00 · 17.08.2014
leitura
Projeto "Leitura e Encantamentos" no Colégio Santo Inácio ( Foto: Agência Diário/ Helosa Araújo )
leitura2
As crianças se divertem escolhendo livros na "Mala de Leitura" ( Foto: Agência Diário/ Helosa Araújo )
leitura3
Piquenique literário na Creche Escola Gira Mundo ( Foto: Agência Diário/ Helosa Araújo )
livros
Projeto incentiva a leitura tanto de obras clássicas, como de autores contemporâneos ( Foto: Alex Costa )

Pegar os livrinhos com figuras coloridas e temas favoritos como magia e animais para, em seguida, se debruçar em suas páginas. Mesmo que ainda não saibam decifrar o enigma da junção das vogais e consoantes, as crianças são convidadas a ter intimidade com as letras cada vez mais cedo nas salas de aula. 

O Colégio Santo Inácio introduz a atividade já no Infantil I, dentro do Projeto “Leitura e Encantamentos”. Livros de borracha e de paninho são os companheiros dos pequenos que, na avidez e pureza da pouca idade, acabam colocando-os na boca. Em fase de descoberta, usam-nos ainda para brincar de todas as formas, ao lado de carrinhos, bonecas, entre outros objetos. 

O projeto segue, unindo prazer à leitura, até o 1º ano do Ensino Fundamental. “Buscamos atrair os alunos mostrando que ler é um ato gostoso, que estimula os sentidos. Com o tempo eles vão se familiarizando com as letras; é algo natural que acontece, para, na idade certa, terem vontade de aprender a ler e de entender as regras por trás dessa atividade”, esclarece Kemilly Ventura, coordenadora pedagógica da Educação Infantil. 

Às sextas-feiras, os estudantes abrem a Mala de Leitura e escolhem, sob supervisão da professora, uma obra para ser lida em casa com os pais. Ao retornar do fim de semana, preferencialmente às segundas-feiras, eles se reúnem em uma roda, e uma historinha é escolhida para ser repercutida na sala de aula. “Nesse momento, podemos fazer uma contação de história, uma dramatização ou até usar fantoches”, explica Gabrielly Falcão, tia do Infantil III.

Na segunda-feira acompanhada pelo Diarinho Plus, a turma fez uma dramatização sobre a clássica história do Chapeuzinho Vermelho. A tia falou “zip, zip, zá, minha boca vou fechar para poder ouvir a história” e, em seguida, todos os pequenos silenciaram para, só falarem na hora de dar um palpite sobre o destino da heroína. 

Em seguida, a estudante Tauanne Castro, 4, incorporou o papel de Chapeuzinho, de fantasia e cestinha nas mãos, como se estivesse andando pela floresta. Na verdade, a criança que vira personagem é escolhida aleatoriamente e as roupas especiais se encontram num espaço, onde são encontradas várias fantasias. A sala também possui outros cantinhos: de leitura, brinquedos; onde ficam as mochilas e lancheiras; ensinando ainda a ordem e a limpeza para os alunos.

O contato com os livros também inicia bem cedo na Creche Escola Gira Mundo. Lá, explica a coordenadora pedagógica Andréa Aires Costa, os professores trabalham o Projeto Girolê com os alunos. “Na sexta, cada um leva uma obra para ler em casa, durante o fim de semana. Esta deve ser uma atividade em família, prazerosa, de troca de ideais e experiência”, explica.

No segundo semestre, dentro do projeto, cada turma trabalha um autor específico e, a partir daí, o tipo de produção literária realizada pelo escritor. “A classe que ficou com o Monteiro Lobato, por exemplo, estudou o lado fabulista dele. Daí, foi feito a diferenciação entre fábula, conto, lenda e outros gêneros. Também estimulamos as crianças a desenvolverem textos de acordo com os gêneros que estudamos”, descreve a coordenadora pedagógica. Finalmente, em outubro, a produção de cada turma vira uma exposição e os pais são convidados a prestigiar os pequenos. 

A turma da Gira Mundo visitada pelo Diarinho Plus fez uma espécie de piquenique de livros, outra atividade realizada na escola. Isadora Pereira Ferreira, 6, prefere a obra “A pequena bruxa” e explica: “tem muita palhaçada. Em casa leio com a minha tia, Pâmela”. Luna Rosa, 6, conta que na maioria das vezes lê sozinha e que tem um monte de exemplares em casa. 

Rafael Freitas, 6, cita, como livro favorito, “A fantástica fábrica dos bichos”, pois, como explica, “mostra uma máquina maluca que transforma bichos em outros bichos”. Bruno Alves Medeiros, 6, se encanta com “Joselito, o elefante que estudava”. “O elefante aprende um monte de coisas, faz um foguete, fica craque em outras línguas e ainda mostra para o amigo, o macaco Valdo, como é importante estudar”. Escolha sábia a do garoto... 

Cada livro tem uma orientação impressa de como deve ser cuidado e lido no ambiente familiar. “A hora da leitura é muito especial, deve ser um momento de puro prazer”, inicia o texto. A obra também é apresentada como um tesouro, que deve ser zelado, pois, em seguida será partilhado com outros colegas. “Os pais agradecem as orientações e percebemos como a atividade colabora não só com o ensino, mas com a união familiar”, conclui Andréa Aires. 

Agradecimentos:

Colégio Santo Inácio

Av. Desembargador Moreira, Aldeota

(85) 3066.3000

Creche Escola Gira Mundo

Rua Padre Chevalier, 745, Joaquim Távora

(85) 3244.7904

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.