empreendedorismo rural

Rede destaca a agricultura orgânica

Agricultores do Crato se organizam para fortalecer cadeia de comércio de produtos com base ecológica

00:00 · 03.05.2015
Image-0-Artigo-1844792-1
Período chuvoso animou os agricultores para a nova atividade comercial ( fotos: elizângela santos )
Image-1-Artigo-1844792-1
A diversidade de itens tem-se ampliado ao longo dos anos. Enquanto isso, os preços são equivalentes ao mercado, basicamente, e o consumidor acaba ganhando uma alimentação mais saudáveis

Crato. A proposta de formação de uma rede de agricultura de base ecológica vem se fortalecendo no Cariri, com a participação dos produtores da agricultura familiar, de municípios da região, por meio da Incubadora Tecnológica de Empreendimentos Populares e Solidários (ITEPS). Agricultores estiveram reunidos esta semana, para debater processos de articulação, fortalecimento e maior visibilidade aos produtos que são comercializados, pelos próprios produtores, em feiras agroecológicas.

Os resultados têm sido significativos nos últimos anos, para as pessoas que sobrevivem e até complementam a renda familiar com esses produtos. Em Crato, a feira realizada pela Associação Cristã de Base (ACB) se mantém há mais de uma década e conseguiu um público representativo, dos adeptos de uma alimentação saudável, cultivada sem agrotóxicos.

Fidelidade

As pequenas barraquinhas padronizadas são instaladas a partir das 5 horas da manhã, todas as sextas-feiras, para receber o público fiel à demanda de alimentos que, em grande parte, acaba cedo.

A quantidade de compradores tem sido representativa e a maioria dos agricultores, que comercializa os produtos do seu próprio terreno, acredita que é necessário haver uma divulgação maior dos espaços e preparação dos produtores para atender o mercado.

O produto da agricultura familiar é levado direto da área do pequeno produtor para a comercialização final. Sem a figura do comprador intermediário, há melhore chances e possibilidades de negociação entre os clientes e o agricultor. Os preços são equivalentes ao mercado, basicamente, e o consumidor acaba ganhando uma alimentação mais saudável.

Para a coordenadora do Eixo de Apoio Agroecológico, Rosane Nunes, da Universidade Federal do Cariri (UFCA), com o primeiro encontro entre agricultores que participam das feiras agroecológicas nas cidades de Barbalha, Crato e Juazeiro do Norte foi possível debater questões como o apoio para organização, além de informações nas áreas de associativismo e cooperativismo. "Foi cerca de um ano lutando para esse processo de articulação", diz. Ela ressalta também a inserção de trabalhos artesanais, produtos como biscoitos, doces, entre outros artigos, levados às feiras pelos seus participantes.

Estiveram no encontro nesta semana, realizado no curso de Agronomia da UFCA, oito representantes das feiras agroeco-ógicas hoje realizadas em Crato, Juazeiro do Norte e Barbalha. Para o agricultor Francisco Antônio Bernardo, é muito importante que haja divulgação do trabalho que vem sendo feito pelos produtores. Ele é do sítio Coité, em Barbalha, onde está sendo realizada a Feira da Economia Solidária. É a única, entre os outros municípios participantes, de caráter itinerante.

Interação

Desde 2012 que o projeto interage com as comunidades num processo de rotatividade. Os grupos de 20 pequenos produtores é formado por representantes de algumas comunidades, mas ele diz que é importante a ampliação da feira, além da conquista de um ponto fixo de vendas em praça central da cidade.

Em Juazeiro do Norte, 11 famílias estão reunidas há cerca de oito anos, no intuito de fortalecer a comercialização dos produtos da agricultura familiar. O intento vem se garantindo, pela adesão da população aos produtos orgânicos, como opção para um cardápio mais saudável e o consequente fortalecimento da agricultura familiar na região.

A feira agroecológica na terra do Padre Cícero acontece na praça José Geraldo da Cruz, nos Franciscanos, às sextas-feiras, das 4 horas às 10 horas. No sábado, o grupo comercializa no Município de Caririaçu. A agricultora Aurilúcia Borges de Oliveira afirma que o interesse do consumidor tem sido cada vez maior em levar para sua casa os produtos orgânicos, com preços até melhores do que os praticados em supermercados da região.

Crédito

Com a preocupação de atender e ao mesmo tempo aproveitar à demanda de consumidores de Juazeiro, quatro famílias de produtores, em que ela se inclui, decidiram adquirir uma propriedade em Caririaçu, por meio de crédito fundiário, de mais de 30 hectares para produzir alimentos orgânicos.

O coentro, a cebolinha, o feijão verde, ovo caipira, entre outros produtos vieram para a barraquinha das irmãs Antônia Ferreira Lima e Francisca das Chagas. Integram os grupos dos jovens agricultores familiares mobilizados em Crato. Estão surpresas, mesmo com apenas as primeiras experiências na feira, das vendas que chegaram a até 70% do que levaram para vender.

O lucro foi garantido. Desde 2000 que dona Elisa Alves Cidade faz parte da feira. O complemento agora já faz parte de uma renda indispensável para despesas de casa. Há pelo menos uma década integrando a feirinha de orgânicos, em Crato, o agricultor, Juvenal Matos, comercializa desde o feijão, arroz da terra, fubá, xarope natural, amendoim, mandioca, macaúba, dentre outros produtos.

Matos avalia o consumo de produtos orgânicos ainda lento, por conta da falta de consci-entização das pessoas a respeito de uma alimentação mais saudável, mas acredita que, aos poucos, esse processo muda. "Tanto que estamos mantendo essa feirinha há tantos anos, porque tem aquelas pessoas que já se deram conta da importância de uma alimentação mais saudável e natural em suas vidas", diz.

O agricultor sugere que dentro desse projeto de conscientização, as embalagens utilizadas sigam o mesmo critério ecológico, com o uso de sacolas de tecido, retornáveis. "O meio ambiente agradece", completa Matos.

Com as chuvas caídas nos últimos meses, a produção da agricultura familiar teve um aumento considerável e essa tem sido uma fonte de subsistência para muitos moradores da zona rural. Com o projeto de privilegiar os produtos orgânicos, a expectativa é que haja uma renda ainda superior, atraindo inclusive outros grupos de agricultores.

Por enquanto, a demanda está sendo atendida pelos pontos de vendas, mas a ideia dos atores envolvidos é que cada vez mais a região ofereça produtos e locais com maior diversidade para o consumidor. E.S

Enquete

Como a iniciativa tem ajudado o feirante?

"Desde o ano 2000 que estou comercializando na feirinha da ACB. Tem sido importante complemento de renda para mim. Quando consigo trazer muita coisa, dá para tirar até um salário"

Elisa Alves Cidade
Agricultora familiar

'Tem sido uma boa experiência poder estar participando dessa feira. Tivemos a oportunidade de vender mais de 70% dos alimentos e isso é bastante gratificante para nós que somos pioneiros"

Antônia Ferreira Lima
Agricultora familiar

Mais informações:

Associação Cristã de Base (ACB)
Rua dos Cariris, 61
Centro
Crato
Telefone (88) 3521 3005

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.