Patrimonialização

Quilombos ganham destaque durante os festejos de Reisado

A comemoração religiosa e a influência da cultura negra quilombola se mesclaram nos debates

00:00 · 10.01.2016
Image-0-Artigo-1997868-1
O Dia de Reis foi marcado pela reflexão intelectual e histórica de pesquisadores ( Fotos: Elizângela Santos )
Image-1-Artigo-1997868-1
Nesta edição, o projeto contemplou três grupos de Reisado, totalizando mais de 50 brincantes, participando de todas as atividades

Juazeiro do Norte. Na semana de grandes manifestações da tradição popular, para comemorar a festa alusiva ao Dia de Reis, foi realizado o 2º Canto de Reis - Festival da Tradição Popular. Durante o evento, encerrado no último dia 8, com três dias de apresentações culturais e debates, foi tratado da "Patrimonialização do Quilombo no Cariri", com vários pesquisadores e Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Os festejos da tradição do Reisado reuniram o cortejo dos grupos, desfile cultural, apresentações artísticas, exposição, lançamento de CDs, exibição de vídeo, dentro do festival da tradição popular que, neste ano, segundo a coordenadora, Beth Fernandes, teve uma ampliação das suas atividades, envolvendo grupos de outros Estados, como o Rio de Janeiro.

Parte de um grande evento, realizado pela segunda vez na cidade de Juazeiro do Norte. A celebração começou no dia 6 deste mês, Dia de Reis. A segunda edição do projeto foi lançada no dia 21 de novembro de 2015 no Centro Cultural do Banco do Nordeste (CCBNB), promovendo ações de formação e fruição artísticas e culturais junto aos grupos de Reisado da cidade, por meio de diversas atividades criativas.

Atividades

Nesta edição, o projeto contemplou três grupos de Reisado, totalizando mais de 50 brincantes, participando de todas as atividades. Dois grupos são de bairros de Juazeiro do Norte, o Reisado São Miguel, do bairro João Cabral, e o Reisado Nossa Senhora das Dores, do bairro Frei Damião, além do Reisado de Mestre Aldenir, da Vila Padre Cícero, em Crato.

"Estes grupos passaram por diversas atividades artísticas, todas baseadas em suas histórias, seus modos de criação e produção, ritos e celebrações e na perpetuação de seus coletivos, desenvolvendo o repasse de saberes e fazeres", diz a coordenadora, entusiasmada pelos objetivos alcançados durante o evento.

Mais dois grupos de Reis de Estados diferentes participaram das apresentações, como o Rio de Janeiro e a Folia de Reis Sagrada Família da Mangueira, do morro da Mangueira; e o Guerreiro Mensageiro do Padre Cícero, de Maceió, capital do Estado de Alagoas.

A discussão sobre a "Patrimonialização do Quilombo no Cariri", contou com mesa composta por Mestres de Reisados, Iphan e o mestrando da Universidade Federal Fluminense (UFF), do Rio de janeiro, na área cultural, com Felipe Caixeta. O documentário "Canto de Reis" dirigido por Emrah Kartal, foi lançado na semana passada.

Folguedos

Durante dois meses foram realizadas oficinas de teatro, dança, moda e estilismo. Paralelo as atividades, instalou-se um "laboratório criativo", de confecção das indumentárias (trajes), adereços (coroas, coletes, saiotes). Este processo passou pela história da tradição dos folguedos da Folia de Reis e permitiu a criação e ressignificação de suas práticas na atualidade.

Beth Fernandes declara que o objetivo é promover o encontro entre grupos e suas comunidades e principalmente com a sociedade de Juazeiro do Norte para celebrar e enaltecer um dos mais importantes folguedos da região do Cariri.

Além disso, destaca que promove a difusão e a reflexão acerca do nosso patrimônio imaterial por meio da vasta produção artística existente na cidade. O trabalho conta com o apoio de instituições como a Companhia Energética do Ceará (Coelce) e CCBNB, além das secretarias de Cultura e Romaria de Juazeiro do Norte e do Estado, e das curadorias da secretária de Cultura do Crato, Dane de Jade, e de Beth Fernandes.

Fora as apresentações dos grupos de Reisado, foram realizados shows, com a Orquestra Armorial do Cariri, Banda Nazirê e Zabumbeiros Cariris. "O público da cidade de Juazeiro e da região do Cariri terá a oportunidade de prestigiar um grande evento fora do calendário festivo da cidade. A ideia é criar um festival onde a tradição da Folia de Reis seja protagonista e com isto seja reconhecida, também, como um produto cultural dentro do mercado de bens e produtos culturais", assegura a coordenadora.

Envolvimento

Com mais incentivos para esse segmento cultural, cresceu também a participação popular nas tradições do Reisado, que é apresentado de 24 de dezembro a 6 de janeiro. Formado por um grupo de foliões, de pastores e pastoras que se reúnem numa espécie de rancho, tem a finalidade de visitar as casas das pessoas mais hospitaleiras da região, a cantar e a dançar, em alusão à visita dos Reis Magos ao recém-nascido Menino Jesus.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.