Pesquisa

Observatório da Violência inicia coleta de dados

00:00 · 21.02.2016
Image-0-Artigo-2018973-1
A passeata das Mulheres contra a Violência é uma das mobilizações avaliadas ( FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS )

Crato. O Observatório da Violência e dos Direitos Humanos na região do Cariri irá iniciar a fase de levantamentos de dados para estudos de casos na região. O projeto, desenvolvido por equipes multidisciplinares da Universidade Regional do Cariri (Urca), está realizando parcerias com vários órgãos, a exemplo da Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado (Sejus).

Instituições e segmentos profissionais representativos da sociedade estão sendo contatados, para formar a Assembleia do Observatório, onde estarão sendo debatidas questões relacionadas à violência, envolvendo conselhos, Marcha das Mulheres, representantes da imprensa, universidades, entre outras instituições, que irão fazer avaliações dos trabalhos desenvolvidos por meio do observatório e também trazer novas propostas para o grupo que está atuando à frente do projeto.

O observatório é desenvolvido por meio de projetos, segundo a coordenadora, professora Lourdes Goes. Atualmente está em andamento o Flor de Jitirana, que trata da questão relacionada à violência contra às mulheres no Cariri. Inaugurado em outubro do ano passado, com a presença do secretário de Justiça, Hélio Leitão, o órgão terá como objetivo reunir os dados relacionados à violência, envolvendo estudiosos.

Índices

Segundo uma das coordenadoras, do curso de Enfermagem da Urca, Grayce Alencar, as reuniões da assembleia do observatório serão realizadas a cada três meses e serão enfocadas, além das questões relacionadas aos índices de violência na região, nas próprias atividades do observatório, e questionadas às políticas nacionais na área.

O Observatório da Violência está em funcionamento no Campus São Francisco, no bairro Pinto Madeira, em Crato, na sala de situação, de onde são reunidos dados para que sejam propostas ações para combater os altos índices de violência. 

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.