Exposição

'Lambe Day' divulga Juazeiro

00:00 · 03.04.2016
Image-0-Artigo-2041558-1
O Lambe Day foi realizado pela primeira vez no Município com a presença de nomes veteranos da fotografia popular, como Tonho Ceará e Chico Alagoano

Juazeiro do Norte. A fotografia popular terá os seus dias de exposição, no Sesc Belenzinho, em São Paulo, a partir desse mês, num espaço de mais de 500 metros. Uma das principais referências da mostra é o trabalho realizado por fotógrafos e pesquisadores, em Juazeiro do Norte, um dos centros da fotografia popular do Nordeste. O projeto Lambe Day, que teve o seu primeiro dia de realização, em novembro do ano passado, na calçada da Casa Gino, na terra do Padre Cícero, leva um pouco dessa história para o Sudeste.

O fotógrafo e pesquisador Luiz Santos, realizou os registros com o lambe-lambe de Juazeiro do Norte, Tonho Ceará. Além dele, o historiador e pesquisador Titus Riedl; a diretora de Museus, Valéria Laena; e produtores do Cariri organizaram o acervo para levar ao Sesc Belenzinho, em São Paulo. A ideia é também levar a exposição para o Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura, em Fortaleza.

Destaque

A primeira edição do Lambe Day em Juazeiro do Norte teve a presença de grandes nomes da área no Cariri. Por décadas, fotógrafos como Chico Alagoano e Tonho Ceará atuaram principalmente na terra das romarias. Ainda resistem nesse ofício em quase extinção.

Para Luiz Santos, o Lambe Day tem uma finalidade refinada. Trabalha com uma técnica precária de captação de imagens, contudo o que interessa é uma ideia de pensar o retrato como uma possibilidade sempre renovada e, nesse aspecto, aquele que faz uma referência ao tempo, onde as pessoas se sentavam, reverenciavam o instante solene, de receber a figura do retratista. As pessoas colocavam sua melhor roupa, para expor o seu semblante mais digno. Foi no Ceará que Santos se encantou com a fotografia popular.

O recifense esteve, em meados dos anos 2000, participando do I Encontro de Fotografia Popular, no Centro Dragão do Mar, em Fortaleza. Um momento também reflexivo para a fotografia contemporânea da era "selfie". "O Lambe Day traz para a rua, com o seu ambiente diverso, a possibilidade contemporânea de criação artística, por esse viés do retrato", define Luiz Santos. Ele diz que esse processo poderá ir mais longe, pois não se tem produzido coisas, objetos, paisagens com essa câmera, representando uma diferente e antiga na arte de fotografar. (E.S.)

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.