Pau da bandeira

Festa terá título de Patrimônio Imaterial votado em setembro

Caso aprovado, os festejos de Santo Antônio em Barbalha serão reconhecidos ainda neste ano

22:00 · 22.08.2015
Image-0-Artigo-1914902-1
Cortejo chega a arrastar uma multidão de pelo menos 300 mil pessoas, sendo uma das festas religiosas mais concorridas em todo o Estado ( FOTO: ELIZÂNGELA SANTOS )

Barbalha. A Festa do Pau da Bandeira de Santo Antonio de Barbalha poderá, finalmente, receber neste ano o registro de patrimônio imaterial do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A publicação do processo, durante esta semana, em Diário Oficial da União, é uma das exigências, para que se torne pública intenção de levar a proposta à votação.

A votação será em Brasília, por meio dos membros do Conselho Consultivo do Iphan, e acontece no dia 17 de setembro. Trata-se do primeiro registro de patrimônio imaterial do Ceará, com todos os encaminhamentos realizados por meio da superintendência do órgão no Estado.

A publicação do processo, que vinha sendo elaborado desde o início do ano 2000, ocorreu com a perspectiva de dar ampla divulgação ao pedido. Os membros do Conselho se reúnem pelo menos quatro vezes a cada ano, para analisar projetos encaminhados de várias partes do Brasil. Após a votação e aprovação, pelo conselho, é realizada na cidade uma cerimônia de certificação. A avaliação do título acontece a cada 10 anos.

Segundo a historiadora do Iphan, superintendência do Ceará, Ítala Bianca Morais, o registro vai estar contido no Livro das Celebrações do instituto.

Durante dez anos, o Iphan terá que implantar na cidade o Plano de Salvaguarda, que exigirá ações permanentes de proteção, continuidade e sustentabilidade da Festa do Pau da Bandeira.

Encaminhamento

Para o secretário de Cultura de Barbalha, Antonio de Luna, esse é um grande presente para a cidade, que passou por várias etapas para gestar o projeto. A preocupação agora é poder dar encaminhamento para as melhorias necessárias para a manutenção desse grande evento.

Para se ter uma ideia, o cortejo do pau da bandeira, por exemplo, chega a arrastar uma multidão de pelo menos 300 mil pessoas. Neste ano, em virtude da morte de um dos carregadores, foi necessário haver uma discussão voltada para se pensar alternativas que proporcionem mais segurança durante o trajeto. Na última sexta-feira, foi realizada audiência do Ministério Público para tratar do assunto.

Conforme Ítala Bianca, a certificação contará com a presença dos detentores do bem cultural de todas as instituições envolvidas no encaminhamento do processo. A data pode ser escolhida pela cidade, até mesmo durante o período da festa, em junho do próximo ano. O secretário destaca a grande expectativa da população em ver a cidade poder ser registrada como patrimônio para o Brasil. O próximo passo agora será em relação ao Juazeiro do Norte, que a cada ano atrai cerca de 2 milhões devotos do Padre Cícero Romão Batista, romeiros e visitantes.

Documento

O inventário foi concluído e será analisado para proporcionar um entendimento maior sobre os processos e onde ele será inserido, para que haja o registro de patrimônio imaterial.

A historiadora Ítala Bianca destaca a avaliação em Juazeiro do Norte mais complexa em relação à que ocorreu em Barbalha. "O município poderá ser inserido também no livro das celebrações e isso quer dizer que haverá também um longo caminho pela frente", disse. O inventário contou com a elaboração do Instituto de Pesquisa da Universidade Estadual do Ceará (Iepro), por meio de professores de História, com a coordenação da professora Lúcia Helena Brito. Para Ítala Bianca, esse título irá proporcionar maior visibilidade para a festa de Barbalha, que tem a sua própria dinâmica, com quase 200 anos de realização. E.S

Mais informações:

Iphan

Rua Liberato Barroso, 525
Praça José de Alencar - Centro
Fortaleza
Telefone: (85) 3221.6263

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.