Ciência

Experimento permite benefício com reúso da água

Experiência simples ganhou notoriedade em recente exposição científica ocorrida em Barcelona, na Espanha

00:00 · 12.04.2015
f
Garrafas PET são a principal matéria prima para reaproveitar a água ( Foto: Júnior Sousa )

Juazeiro do Norte. Uma experiência simples, que se tornou de grande utilidade, diante da incipiente reserva de água em grotões do sertão nordestino. Na casa dos avós, em Pernambuco, o jovem com aspirações de cientista resolveu criar, por meio de um projeto de baixo custo, as condições necessárias para o reaproveitamento da água, por meio de um protótipo de um Destilador Termossensível de Águas (DTA). Com destaque em diversas feiras do Brasil e no exterior, o jovem cientista, Jonathan Misael Alencar Nascimento esteve, no fim de março deste ano, em Barcelona, na Espanha, para apresentar o seu projeto.

Já esteve também em evento no Peru, onde foi premiado. O projeto "Água mineralizada de baixo custo, a partir de um destilador solar construído com garrafas PET" foi aprovado para a sua primeira feira nacional de conhecimento. O Colégio Paraíso, em Juazeiro, decidiu ir à frente com o jovem cientista, que tem obtido destaque com a descoberta e até contribuído com uma pequena comunidade do interior pernambucano, que aproveita a ideia para obter mais água, com o reaproveitamento.

O projeto tem chamado a atenção no Brasil e agora na Europa. Em novembro do ano passado, no Peru, Jonathan obteve o primeiro lugar na Muestra Científica e recebeu o convite para ir à Espanha. Jonathan afirma que tem sido importante para obter experiência e somar na sua trajetória de pesquisador, já que pretende desenvolver seus estudos na área de ciências médicas, nos Estados Unidos.

PET

A ideia de criar o DTA veio a partir de 2013, com os primeiros experimentos. Levou o seu trabalho às salas de aula do colégio, feiras científicas e tem sido para ele gratificante a receptividade das pessoas em relação ao alcance social que o seu trabalho pode oferecer, com cursos acessíveis.

"Para se ter uma ideia, gastei apenas R$ 17,00 para desenvolver esse trabalho", afirma. Para isso, ele utilizou garrafas PET, plástico ou tecido e um simples recipiente para proceder o acúmulo da água.

A recente participação na "Exporecerca Jove", em Barcelona, segundo o coordenador de Ciências Exatas, Leonardo Sousa, coroa um trabalho de sucesso do estudante e do Núcleo Preparatório para Olimpíadas, do Colégio Paraíso, ao longo do ano de 2014. Em março do ano passado, o projeto foi selecionado para participar da Feira Brasileira de Ciências e Engenharia (Febrace), movimento nacional de estímulo ao jovem cientista, realizada anualmente pela Universidade de São Paulo (USP).

Em setembro, o estudo foi levado à Feira Nordestina de Ciência e Tecnologia (Fenecit), que ocorreu em Pernambuco, sendo muito elogiado pelos avaliadores e tendo se classificado em terceiro lugar na área de ciências agrárias. Na ocasião, o aluno foi convidado a participar da Muestra Científica, no Peru. Comprovando a sua teoria, após passar pelos diversos encontros de jovens cientistas, o estudante veio participar da "Exporecerca Jove 2015", em Barcelona.

Basicamente, o projeto consiste na construção de um protótipo de destilador termossensível de purificação de água, feito com garrafas PET, que, após destilada, pode ser utilizada desde o consumo humano até o emprego do reúso da água em atividades domésticas ou sanitárias. "Dessa forma, torna-se possível amenizar os impactos ambientais que, hoje, encontram-se acentuados, sendo um dos principais deles a falta de água", afirma o coordenador.

Benefício

O jovem cientista afirma que uma de duas grandes alegrias é ver pessoas se beneficiando do projeto. A água vem sendo utilizada por uma comunidade rural de Araripina, em Pernambuco, para higiene doméstica e pessoal. Ele afirma que o nível de pureza do líquido tem sido significativo, com testes realizados por técnicos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE).

Jonathan Misael afirma que na sua condição de jovem cientista, teve a oportunidade de vivenciar experiências singulares ao desenvolver um equipamento acessível.

"O meu objetivo era intervir nos problemas ocasionados pela escassez de água potável e na relação das pessoas com esse recurso vital", explica ele. Para o aluno, a aplicação da ideia à prática, não obstante a engenhosidade simples, possibilita considerável mudança na realidade das comunidades, quanto à responsabilidade de cada um em relação à água.

Intercâmbio

Uma de suas maiores alegrias é poder considerar o projeto de cunho social. E não apenas isso, mas poder disseminar a ideia, não apenas no Brasil, mas em outros lugares. De acordo com o estudante, o intercâmbio cultural favorece a amplitude de novos horizontes.

"Ao somar todos esses valores ao meu objetivo de ingressar na Graduação Sanduíche em uma universidade de renome mundial, traduz-se em força que aumenta favoravelmente a minha perspectiva de conseguir ser um pesquisador na área das ciências médicas", almeja. Esse, segundo Jonathan, é o seu maior sonho.

O professor Leonardo Sousa destaca a importância desse trabalho, diante dos problemas causados pela escassez de água em nível mundial, decorrente, conforme avalia, tanto do aumento do consumo, quanto da crescente deterioração da qualidade causada pela poluição exacerbada no planeta.

"Perante essa realidade, apresentamos um projeto simples, inovador e que traz resultados de elevada eficiência e produtividade a baixo custo e de fácil implementação", afirma o estudante. (E.S.)

Mais informações:

Colégio Paraíso
Rua da Conceição, 1246
São Miguel
Juazeiro do Norte
Telefone: (88) 3512-1034

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.