História

Debate enfoca 80 anos do Caldeirão

Pesquisadores e poder público voltam a refletir a temática em seminário que acontecerá de 12 a 13 deste mês

00:00 · 10.04.2016
Image-0-Artigo-2045262-1
A romaria do Caldeirão é uma das tradições mantidas do registro histórico ( Fotos: Elizângela Santos )
Image-1-Artigo-2045262-1
Grande parte das vítimas do Caldeirão foi enterrada em uma vala comum e até hoje não se tem notícia do local exato. Há suspeitas que tenha sido na Serra do Cruzeiro

 Crato. Após 80 anos do fim de uma das mais emblemáticas experiências de comunidade rural no Brasil, pesquisadores e poder público voltam a debater a temática do Caldeirão da Santa Cruz do Deserto em seminário, a ser realizado nos dias 12 e 13 de abril. Um projeto para o futuro será pensando de forma integrada, com a perspectiva de iniciar os trabalhos de definição e estruturação de uma proposta de atuação na área.

A pequena propriedade adquirida pelo beato José Lourenço, líder da localidade, em Crato, se tornou um oásis no meio do sertão esturricado. Para lá acorreram milhares de homens e mulheres em busca de melhores condições de sobrevivência, no começo dos anos de 1930. O local será formalizado, durante o evento, como geossítio, e passará a integrar o território do projeto Geopark Araripe. O evento será realizado no Salão de Atos da Universidade Regional do Cariri (Urca), em Crato.

Destruição

Historiadores relatam que a comunidade chegou a contar com cerca de 3 mil pessoas. Há controvérsias, mas os remanescentes falam do bombardeio que destruiu a vila e dizimou moradores, no ano de 1936. Grande parte das vítimas do Caldeirão foi enterrada em uma vala comum e até hoje não se tem notícia do local exato. Há suspeitas que tenha sido na Mata dos Cavalos, na Serra do Cruzeiro, ou no próprio Caldeirão.

Fazer o caminho da Santa Cruz é uma forma de reavivar na memória uma das experiências exitosas em coletividade, que terminou em tragédia, com a morte de crianças, adultos e idosos. Trabalhadores rurais, homens e mulheres simples e que tinham com líder o beato José Lourenço, um discípulo do Padre Cícero. Era uma ameaça ao sistema. Um foco comunista num rincão distante do sertão nordestino. As milícias do Exército Brasileiro e Polícia Militar do Estado agiram, juntamente com o Ministério da Guerra de Getúlio Vargas. Oficialmente cerca de 400 pessoas foram assassinadas. Extraoficialmente, mais de mil, com ataques aéreos. Há quem diga que este fato não ocorreu.

Discussão

São muitas perguntas a serem esclarecidas e por isso se torna importante fomentar esse debate, diz a secretária de Cultura do Crato, Dane de Jade. Ela afirma que o trabalho das instituições será uma tentativa de criar uma proposta única para o Caldeirão.

O pensamento é iniciar a estruturação dessa ideia a partir do seminário. Na palestra de abertura, será feita uma abordagem ao patrimônio material e imaterial, dentro do conceito da Unesco, pelo pesquisador português Artur Sá e o cientista social Domingos Sávio, da Urca, que vai falar sobre "Visões de Mundo na Luta Libertária do Caldeirão", como experiência de vida e um projeto que deu certo na década de 1930.

O seminário está sendo realizado por meio da Secretaria de Cultura e Urca, mas a pretensão, segundo Dane, é fazer com que as outras instituições estejam reunidas para realizar um projeto conjunto.

A história do Caldeirão, mesmo após oito décadas, continua sendo debatida, mas a secretária afirma que isso acontece diante de poucos elementos expostos ao longo desses anos, dos fatos ocorridos no local.

"Ainda não se sabe a fundo como é que essa memória do Caldeirão resiste e o que de fato aconteceu. Há as dicotomias entre os próprios pesquisadores, remanescentes, amantes da história, e pessoas que estavam envolvidas na época, como o brigadeiro José Sampaio Macedo, que disse não ter bombardeado o local", avalia Dane. Conforme ela, esse momento será uma provocação, para o aprofundamento da pesquisa, como também de construir algo de fato para o Caldeirão, buscando uma forma de organizar essa memória no tempo e no espaço.

Legado

Para o pesquisador e doutor em sociologia da Urca, professor Domingos Sávio, é necessário nesse momento a construção de um projeto, pela relevância histórica e o legado simbólico de valores sociais libertários que o ambiente do Caldeirão inspira. Ele defende a gestão da área pelo poder público e a universidade de forma urgente, para proteção dos registros arqueológicos do sítio, como ambiente educativo, histórico e antropológico, além da promoção do desenvolvimento local sustentável.

Esse momento se torna especial, conforme Sávio, já que, no Brasil, a história e a memória social não têm sido adequadamente valorizadas. Há pouca pesquisa sobre a memória social. "É o fundamento de qualquer cultura, suas visões de mundo e estilo de vida. É na substância da memória que se dá a passagem intergeracional de elementos simbólicos, materiais e imateriais, que fundamentam os valores grupais e a coesão social. A memória do Caldeirão é rica em referências culturais de um povo, mas apresenta também valores humanos universais, como a igualdade e a liberdade", afirma. O pesquisador classifica o Caldeirão como um dos mais belos casos da trajetória dos trabalhadores do campo na busca ou luta por uma vida digna e autônoma no Brasil e no mundo.

Durante o seminário, a secretária de Cultura do Crato, Dane de Jade, afirma que as diversas propostas já foram debatidas para o local, serão amplamente discutidas. Uma oportunidade de interação entre instituições de interesse do processo que, durante anos, vêm fornecendo elementos para que estudos sejam realizados no âmbito da reforma agrária, de resistência de uma população que chamou a atenção dos poderes constituídos da época e depois foi destruída.

Participação

O cineasta Rosemberg Cariry participará de uma mesa de debates, no dia 13, com o tema O Caldeirão da Santa Cruz do Deserto - memórias de ontem e hoje para a construção do amanhã, com o historiador Régis Lopes e Maria Loreto, filha de remanescente, com mediação da professora da Urca Fátima Pinho. Também será enfocada a "Gestão Patrimonial, no Desafio de Gerenciar Processos Históricos e Sociais Relevantes para Memória das Lutas Populares", em que participam Luiz Paulo, do Parque Estadual de Canudos, na Bahia, Dane de Jade, além da participação de representante do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Caldeirão, um projeto para o futuro: políticas públicas participativas e gestão patrimonial, terá nos debates Paulo Campos, o reitor da Urca, Patrício Melo e padre Vileci Vidal.

O filme Caldeirão da Santa Cruz do Deserto, será exibido para o púbico, com a participação do cineasta Rosemberg Cariry. Enquanto isso, será debatida a gestão patrimonial do Caldeirão, com instituições como o Ministério da Cultura, Secretarias de Cultura do Estado e do Município do Crato. O evento ainda contará com oficina, no dia 14, mediada por Alexandre Gomes e Secretaria de Cultura do Crato, sobre "Memória Social, Gestão Museológica e Administração Pública: o papel e atuação da sociedade civil". (E.S.)

Trajetória

"O Caldeirão é um dos mais belos casos de trabalhadores do campo na busca ou luta por uma vida digna"

Domingos Sávio- Professor da Urca / Doutor em Sociologia

Mais informações:

 
Secretaria de Cultura do Crato
 
Centro Cultural do Araripe,S/N - Centro - Crato
Telefone: (88)3523-2365

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.