Pau da bandeira

Cortejo será rediscutido em agosto

A reorganização, visando assegurar uma maior segurança, foi pensada após a morte de um dos carregadores

00:00 · 19.07.2015
2
Um dos aspectos apontados para minimizar os riscos é a inserção de um cordão de isolamento no percurso, para que a população não avance ( Foto: Elizângela dos Santos )

Barbalha. Será realizado, no próximo mês de agosto, reunião entre integrantes do Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), carregadores do pau da bandeira de Santo Antônio, de Barbalha, e a Prefeitura para reorganizar o cortejo do mastro da bandeira do padroeiro da cidade. A busca de entendimentos e definições para essa reorganização, como forma de proporcionar uma maior segurança à festa, foi pensada após a morte de um dos carregadores, em pleno trajeto, a menos de duzentos metros do encerramento do percurso. Cícero Ricart, 39, conhecido como Careca, foi atingindo em cheio pelo pau da bandeira, na Rua da Matriz. Para os organizadores, essa era uma das áreas mais seguras do itinerário.

Acidente

A primeira reunião com representantes dos carregadores, o poder público municipal e o MPCE aconteceu dois dias após o acidente que vitimou o carregador, já experiente na tarefa de conduzir o mastro - há cerca de 15 anos. Ele era segurança e todos os anos participava ativamente do cortejo, sendo um dos organizadores e líderes. Conforme o capitão do pau da bandeira, Rildo Teles, um dos mais experientes e que há mais tempo realiza a função, muitas avaliações e especulações foram feitas em torno da fatalidade.

Ele defende que é necessário haver um maior apoio em todo o trajeto visando melhorar, inclusive, a desocupação das ruas. "Somos favoráveis que haja mais segurança e apoio para que aconteça esse trajeto", reivindica.

Um dos aspectos a serem apontados como forma de minimizar os riscos, principalmente em relação ao grande público, será a inserção de um cordão de isolamento durante o percurso, para que a população não avance. O acidente, segundo Rildo, aconteceu em um local onde havia maior possibilidade de segurança, além de ser amplo. O pau da bandeira neste ano, acrescenta, chegou bem mais cedo e, por esse motivo, também justifica que não havia tanto cansaço por parte dos carregadores. As pausas são feitas durante o trajeto.

Teles afirma que tinham carros em muitas partes do percurso, por isso a necessidade de haver um maior apoio dos órgãos públicos para evitar a ocupação das ruas durante o período em que o tronco esteja sendo transportado pelos carregadores. Cerca de dez veículos foram contabilizados em um dos trechos das ruas, de acordo com Rildo.

Outros eram tomados por ambulantes e até pequenas barracas, dificultando a passagem e aumentando os riscos, principalmente à população. Ele afirma que o cordão de isolamento foi usado durante alguns anos, mas foi retirado por falta de apoio.

O pau da bandeira deste ano foi retirado do sítio Flores, situado a 13 quilômetros da sede de Barbalha. Um tronco de angico de 23 metros e cerca de 3 toneladas. Foi o melhor dos últimos anos para conduzir durante o cortejo. Mesmo com o peso, Rildo destaca que era longo e retilíneo, possibilitando a melhor distribuição dos cerca de 200 carregadores. No dia da abertura da festa, em 31 de maio, o pau da bandeira foi transportado da localidade de Malhada até o Centro histórico de Barbalha, totalizando aproximadamente 6 quilômetros para o hasteamento da bandeira do santo.

Registro

Neste ano, a expectativa da Festa de Santo Antônio e dos responsáveis pelo carregamento do pau da bandeira é de que haja registro no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). O dossiê com o histórico da festa deve ser encaminhado em agosto. 

Mais informações:

Secretaria de Cultura e Turismo

De Barbalha - Rua da Matriz, 25

Centro - Barbalha

Telefone: (88) 3532-1708

Elizângela Santos
Colaboradora

Comentários


Li e aceito os termos de regulamento para moderação de comentários do site.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.