Juazeiro do Norte

Artistas se unem para criação da Central de Artesanato

O projeto do prédio planejado foi concebido com inspiração da cobertura do chapéu do Padre Cícero

00:00 · 06.03.2016
1
Uma instalação própria para comércio de produtos é pleiteada pelo artesão ( FOTOS: ELIZÂNGELA SANTOS )
3
Juazeiro do Norte é uma referência para o mercado do artesanato,com trabalhos exportados para a Europa,Sule Sudeste do Brasil

Juazeiro do Norte. Uma proposta de construção da Central de Artesanato no Cariri (Ceart - Cariri) será repassada ao governo do Estado. O projeto do prédio foi planejado com inspiração para a cobertura no chapéu do Padre Cícero. O coordenador do Centro de Artesanato de Juazeiro, Francisco Correia Lima, o Francorly, que é xilógrafo e tem sido um articulador do segmento na região, afirma que a proposta será endossada por vários artesãos da região. Na semana que passou, cerca de 200 pessoas do segmento tiveram seus trabalhos certificados pela Ceart, entregues durante o II Seminário do selo Ceart.

Um cadastramento dos artistas está sendo realizado para embasar mais o projeto. Atualmente, são cerca de 1.800 na região, e pelo menos 1.000 deles estão na "Terra do Padre Cícero", reunidos por meio de associações e centros espalhados pela cidade, a exemplo do Centro de Cultura Popular Mestre Noza e Associação dos Artesãos da Mãe das Dores e do Padre Cícero.

Por conta desse grande número de artesãos na cidade, Francorly disse que o projeto será entregue ao Governo, que já tem o conhecimento desse potencial e solicitou um embasamento maior para mostrar a viabilidade para a região.

Viabilidade

Segundo Francorly, há total condição para que essa central seja construída em Juazeiro, pela grande demanda de trabalhos de artistas, com diversas tipologias e técnicas a serem apresentadas para os turistas que vêm à região, além de ser um espaço onde os trabalhadores do segmento poderão estar reunidos. Ele explica que atualmente muitos sequer têm onde comercializar o seu produto. Além disso, seria uma oportunidade de fortalecimento dessa cadeia.

"É muito importante para nós e vai melhorar ainda mais a procura por turistas", diz, ao destacar, também, a importância dos primeiros artesãos da região estarem recebendo o Selo da Ceart. Para ele, uma peça com a qualidade abalizada, já traz consigo uma referência importante, por atender critérios de elaboração e produção.

Demandas

Para Francorly, Juazeiro do Norte é uma referência para o mercado do artesanato em todo o Nordeste, com trabalhos de artistas que saem com frequência da região para mercados da Europa, Sul e Sudeste do Brasil. São artigos e obras de arte que incluem técnicas diferenciadas, segundo ele.

A presença da Ceart no Cariri será um dos espaços importantes, conforme o coordenador, para escoar a produção dos artistas locais e, quanto mais houver esses locais de comercialização e valorização dos trabalhos, melhor ainda. "Temos as associações espalhadas por bairros e Centro, e, se for concentrado em um só local, vai facilitar para que o turista vá até esse ponto", enfatiza o artesão.

Apoio

Francolrly afirma que o governador Camilo Santana pediu que fosse feito levantamentos para mostrar a viabilidade da Ceart. O modelo do espaço não poderia ser diferente, trazendo a lembrança de quem iniciou o processo de valorização dos artesãos, o Padre Cícero. "Se demonstrarmos que aqui tem condições, ele irá nos apoiar. Isso é o que esperamos", acrescenta.

A presidente da Comissão de Curadoria da Ceart, Angélica Freitas, proferiu palestra aos artesãos do Cariri durante o seminário, realizado na última quarta e quinta-feira. Ela abordou principalmente os critérios para certificação. Nesse primeiro momento, para que haja a autenticação do produto, é necessário, inicialmente, separar a obra de arte do produto artesanal. Isso, pelas próprias características apresentadas. Uma obra de arte popular tem uma característica de criação livre, onde cada produto é diferente um do outro. Angélica ainda ressaltou que a escolha pelo selo é totalmente voluntária, mas destacou que os produtos para serem comercializados pela Ceart devem estar certificados. Essa será uma forma, segundo Francorly, de o próprio artesão ter mais esmero e estímulo para produzir.

A abertura do seminário, inaugurado no Centro de Artesanato, foi realizada com a presença da primeira-dama do Estado, Onélia Leite. Ao fazer a entrega dos primeiros certificados a artesãos do Cariri, ela abordou o encontro como fortalecimento das ações pelo artesanato no Estado. "A presença do artesão demonstra a confiança no trabalho, ao ressaltar o impacto econômico e social segmento no Ceará", afirma. Ela ressaltou melhorias, com a redução de ICMS, a conquista do selo, que vem agregar valor ao produto, além de investimentos em R$ 4 milhões para cursos de capacitação, além de feiras.

A artesã Isabel Maria Silva, da Associação Xique-Chique destacou a importância do apoio que tem sido dado para a valorização do produto. "É uma oportunidade de fortalecimento diante das dificuldades que temos encontrado atualmente. Com isso, o artesão volta com força para trabalhar", afirma.

A coordenadora do Programa de Desenvolvimento do Artesanato do Ceará, Amanaci Diógenes, disse que o evento traduz concretamente implantação do selo, que significa uma importante conquista e abrirá caminhos, com uma segurança real de atuação do artesão. Segundo a coordenadora estadual, será realizado um trabalho com representantes da região do Cariri, no sentido de estabelecer prioridades para 2016, por meio de planejamento. (E.S.)

Mais informações:

Centro de Cultura Popular

Rua Tabelião João Machado, S/N

Bairro Santa Tereza

Juazeiro do Norte

Telefone: (88) 9881-93980

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.