Dica

Envelopamento protege a cor original do carro

Processo é um recurso prático e rápido para quem pretende esconder as imperfeições na lataria

12:06 · 28.09.2017
A possibilidade de dar um acabamento fosco ao carro ou até aplicar diferentes cores em várias partes do veículo faz com que o envelopamento seja a primeira opção de muitos motoristas que pretendem mudar o visual do possante. No entanto, o Centro de Experimentação e Segurança Viária (CESVI Brasil/MAPFRE) reforça que esse processo é uma alternativa à pintura tradicional para quem busca esconder arranhões, riscos, pintura craquelada e até trincada.
 
Por isso, antes de iniciar essa modificação é importante que o condutor conheça os tipos de envelopamento existentes no mercado. “O tipo mais comum de adesivagem é o composto em vinil, que é fabricada a partir da aplicação de películas de PVC na lataria. A outra opção bastante usual nas oficinas é a aplicação liquida, ou seja, uma tinta emborrachada, que seca e também vira uma espécie de adesivo facilmente removível”, explica Gerson Burin, coordenador técnico do CESVI/MAPFRE.
 
Segundo o especialista do centro, independentemente das opções de “cobertura” é importante que o motorista leve o veículo numa oficina com boas referências e que utilize produtos certificados. “Geralmente, o envelopamento pode ser realizado de duas formas: completo ou parcial. É indicado para os proprietários que pretendem proteger a pintura, personalizar o veículo e até divulgar sua empresa”, comenta.
 
Já os motoristas que querem manter a cor original do veículo, mas pretende protegê-lo, existe a opção de envelopar o veículo com um adesivo completamente transparente, que defende o carro dos raios ultravioleta e de pequenos arranhões e avarias. “É preciso ter cuidado com alguns tipos de película, ou seja, aquelas que têm qualidades inferiores podem causar a migração de cor para o verniz do carro, fazendo com que, após a retirada da película, o carro apresente manchas no verniz”, ressalta o especialista.
 
Apesar das proteções de envelopamento, o especialista ressalta que ‘desenvelopar’ é um processo demorado e em que se corre o risco de danificar a pintura original do veículo. “A retirada da película exige que o profissional tenha muita atenção, uma vez que essa técnica pode deixar alguns pedaços presos à lataria, ou danos  com uso de estiletes ou demais ferramentas. Por isso, é imprescindível que o condutor acompanhe todo o processo de envelopamento do carro”, finaliza.
 
Vale lembrar que ao adesivar mais de mais de 50% da área do veículo, é necessário que o proprietário regularize toda a documentação do bem junto ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran), para evitar penalidades.

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.