Test-drive

Mercedes-Benz põe à prova família de SUVs

Caixa de ovos, subidas, inclinação... obstáculos não faltaram no trecho. Ao fim do dia, um sedan surpresa para testar

00:00 · 04.12.2017 por Camila Marcelo* - Repórter
Image-0-Artigo-2331195-1
Gama: Foram testados os modelos GLS e GLC no percurso Off Road. Enquanto com o GLS utilizamos o controle de descida (DSC) ajustável de 2 a 18km/h, com o GLC o carro desenvolve bem controlando com o freio ( Fotos: divulgação )
Image-1-Artigo-2331195-1
Único representante sem a tração integral permanente nas quatro rodas, o GLA foi usado no asfalto, com teste de slalom, desvio sem frenagem e muita aceleração

A linha completa de SUVs da Mercedes foi disponibilizada, sem pena, para usar e abusar no percurso off-road no campo de provas Haras Tuiuti, no interior de São Paulo. Para iniciar as ações, entramos no GLS e ativamos a opção fora de estrada entre os modos no Dynamic Select, que dependendo da opção altera cerca de oito parâmetros do carro, como acelerador, motor, câmbio, entre outros componentes.

A terra era o terreno, no entanto não houve nenhum grande desafio. Afinal, com a tração eletrônica (ETS) foi fácil passar pela caixa de ovos (buracos fundos em sequência), seguida por uma enorme cratera à direita. A função freia individualmente cada roda que está patinando, gerando o efeito de "bloqueio de diferencial".

Na rampa íngreme, o controle de descida (DSR) foi acionado por meio de um botão e colocado à prova. O diferencial dele é ser ajustável para descer entre 2 a 18km/h, por meio da alavanca do piloto automático, podendo mexer até durante o movimento. O sistema funciona estando em drive, neutro ou na ré também. Para pisar fundo, mudamos para o modo Sport e utilizamos o ABS em conjunto com o ASR (controle de tração) para frear bruscamente. E isso foi só um resumo, ainda tiveram outras atividades que foram repetidas com o GLC.

Não dispõe de todas as habilidades do GLS, mas ele não faz feio desde subidas íngremes ou até a descida (que se faz controlando no freio), até porque vem equipado com a tração integral permanente nas quatro rodas, e isso o torna suficiente aos tipos de condutores que querem um carro para ir à fazenda, porém sem fazer uso severo dele.

Uma das "letras de tecnologia", o HSA (assistente de partida) combinado ao hold foi testado em subida com areia, no entanto é ideal para o congestionamento. Pressionando fundo no freio, o carro fica firme (até mesmo na rampa), sem precisar ficar com o pé no pedal ou recorrer ao freio de estacionamento. E para voltar a andar, é só pisar no acelerador e seguir, porque o HSA não deixa o veículo descer um milímetro para trás.

Na pista

Com o GLA, fugimos da areia e fomos para o asfalto para acelerar e ver o controle de estabilidade e tração. Teve ainda teste de frenagem em piso molhado, de slalom, de raio de giro e de desvio do alce (brusco sem frear). Um destaque é o sistema de pre-carregamento "priming", que acelera a frenagem em 0,1 segundos após tirar o pé do acelerador.

Plus

Fora toda a linha de utilitários esportivos, o Classe E foi liberado no local para dar um banho de tecnologia aos ocupantes. Primeiro, com um boneco no meio do caminho, testamos o assistente ativo de frenagem com detecção de pedestre.

Contra o instinto natural e a 50km/h, tirei a mão do volante e o pé dos pedais. O veículo parou por completo, passando longe dos joelhos da vítima.

Depois, ganhamos velocidade para ver o sistema combinado com o assistente de manobra emergencial. Ao ver o "pedestre", começamos o desvio e a função ajuda com mais estabilidade no movimento.

Em seguida, hora de seguir um carro madrinha para checar o piloto automático adaptativo, chamado de assistente de distância. A primeira ativação pode ser ajustada com velocidade acima de 30km/h e ele opera até 210 km/h. Mas, com o "stop and go", se o carro da frente parar por até 30 segundos, ele ainda consegue continuar seguindo-o. Sabe-se que está funcionando ao surgir um volante verde no painel. Ufa. Tanta tecnologia a bordo e isso não foi nem metade do testado. Para valer os mais de R$ 300 mil, a lista é repleta de mais conforto e segurança.

Ficha Técnica

GLS 350d 4Matic

Motor: 3.0 litros diesel

Potência: 258 cv a 3400 rpm

Torque: 620Nm a 1600 - 2400 rpm

Câmbio: automático de 9 marchas

Aceleração: 7,8 segundos

Preço: a partir de R$ 479.900

GLC 250 4Matic Sport

Motor: 2.0 litros gasolina

Potência: 211 cv a 5500 rpm

Torque: 350Nm a 1200 - 4000 rpm

Câmbio: Automático de 9 marchas

Aceleração: 7,3 segundos

Preço: a partir de R$ 279.900

GLA 200

Motor: 1.6 litros flex

Potência: 156 cv a 5300 rpm

Torque: 250 Nm a 1200 - 4000rpm

Câmbio: automático de 7 marchas

Aceleração: 8,1 segundos

Preço: a partir de R$ 159.900

Classe E 250

Motor: 2.0 a gasolina

Potência: 211 cv a 5500 rpm

Torque: 350 Nm a 1200 - 4000 rpm

Câmbio: automático de 9 marchas

Aceleração: 6,9 segundos

Preço: a partir de R$ 329.900

A repórter viajou a Tuiuti (SP) a convite da Mercedes*

© Todos os direitos reservados. O conteúdo não pode ser publicado, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização. Passível ação judicial.