Dicas de convivência no uso da buzina no trânsito - Auto - Diário do Nordeste

uso adequado

Dicas de convivência no uso da buzina no trânsito

13.06.2012

O alerta sonoro é importante para evitar acidentes, mas, se usada sem bom senso, deixa o trânsito um caos

Em frente ao hospital José Frota, em Fortaleza, no Centro da cidade, por exemplo, é muito comum ouvir vários toques de buzinas: umas breves, outras bastantes "irritadas". Apesar de placas proibitivas, o uso do equipamento é bastante requisitado, em sua maioria, por motivos inadequados e impróprios.

Pelo menos, foi isso que o AUTO "sentiu na pele" ao ficar durante uma hora no local. Aos apressadinhos, cabe um lembrete: quem for pego, o condutor perde três pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e multa de R$ 53,20,

Para especialistas, este sinal sonoro é um instrumento importante para alertar outros motoristas, mas é frequentemente utilizada de maneira equivocada, aumentando o nível de estresse no já complicado trânsito das grandes cidades.

Real motivo

Segundo o Código, a buzina pode ser usada só em duas situações: para fazer advertências necessárias a fim de evitar acidentes e para anunciar ultrapassagens fora das áreas urbanas. Em ambos os casos, o toque deve ser breve.

Para os "espertinhos", o péssimo hábito de buzinar quando o trânsito está engarrafado é considerado um uso indevido, passível de punição com multa.

Também são consideradas infrações de trânsito: buzinar de modo prolongado, usar a buzina entre as 22h e as 6h ou em locais e horários proibidos pela sinalização, e utilizar buzina em desacordo com os padrões e frequências estabelecidas pelo CONTRAN.

É bom salientar que a lei não proíbe a utilização das buzinas eletrônicas (aquelas que têm som de bicho, frases, risada), desde que elas não desrespeitem o limite de volume ou de duração. Mesmo não sendo infração, o uso dessas buzinas não ajuda em nada a prevenção de acidentes, pelo contrário, pode provocar susto nos pedestres e em outros motoristas, além de aumentar a poluição sonora urbana.

Conselhos a mais

Não use na frente de hospitais e outros locais onde há a placa indicativa de proibição. É óbvio, mas muitos ignoram.

Para alguns especialistas, agentes de trânsito que não quiseram se identificar, deram vários toques no bom procedimento da buzina. Nós listamos alguns. Chegou no prédio para chamar a namorada? Não buzine! O ideal é estacionar e ir à portaria. Ou então, use o celular. O local é perigoso para ficar esperando? Combine o horário antes de chegar.

O trânsito está lento? Não adianta buzinar. Você só vai ficar irritado e irritar os outros. Se buzina fosse mágica, nenhuma cidade grande teria engarrafamento.

Em muitas situações o mais coerente é piscar o farol alto. Em alguns casos consegue chamar mais a atenção do que a buzina.

Utilize toques curtos em algumas situações. O toque curto pode alertar sem irritar tanto e pode até mesmo ser cortês. Quanto mais longo o toque, mais alto o som fica.

Seu time ganhou o jogo? Buzinaço não! Se for uma região residencial você pode acordar um bebê dormindo ou alguém doente. Respeite os outros. Se for final da Copa do Mundo, realmente, é bastante complicado!

Código próprio

A buzina não existe para ser usada sem real necessidade. Existem exemplos de uso justificado, ou seja, em emergências. Outras situações também são justificáveis, como o próprio Código de Trânsito Brasileiro permite.

Em rodovias, locais isolados das áreas urbanas, os motoristas de caminhão possuem sua própria linguagem de sons e luzes. Uma espécie de código, para auxílio mútuo. Por exemplo, uma piscada de faróis para um veículo que siga em frente significa "por favor, dê passagem". A resposta do motorista da frente pode ser a seta para esquerda (não me ultrapasse ainda) ou para a direita (pode ultrapassar). Ao ultrapassar, duas rápidas buzinadas significam "obrigado". Condutores de veículos pequenos também podem e devem fazer uso deste código. É uma maneira de se ver que na estrada, viajam amigos, ainda que desconhecidos. Mas, tirando esses casos, por favor, só buzine quando for necessário.

SAIBA MAIS

Bom senso: Evite buzinar em frente aos hospitais. Há vidas humanas em recuperação

Quase monge: Seja tolerante no trânsito. Paciência não mata ninguém

Horário: Evite o uso da buzina entre 22 horas e 6 horas da manhã

Seja breve: Usar este sinal sonoro com um simples toque, breve, como advertência ao pedestre ou a outros condutores. Caso haja um prolongamento, é passível de multa

Permuta: Na ultrapassagem pela esquerda, tente usar o jogo de luz ao invés do sinal sonoro

Grosseria não: Nunca use a buzina de uma forma prolongada e sucessivamente a qualquer pretexto. Além de irritar mais você, deixa outros mais zangado s

Custo: Considerada infração leve, o motorista leva 3 pontos na carteira e multa de R$ 53,20




Comente essa matéria


Editora Verdes Mares Ltda.

Praça da Imprensa, S/N. Bairro: Dionísio Torres

Fone: (85) 3266.9999