Estrada segura

Não basta checar os componentes básicos, fique atento aos lubrificantes.

lubrificantes

Falta pouco para 2019. Muita gente já se programou para pegar a estrada e viajar. No entanto, para evitar inconvenientes a caminho da praia, da serra ou do interior, é preciso verificar as  condições do carro.
Segundo Denise Novaes, Coordenadora Técnica da Total Lubrificantes do Brasil, filial do Grupo Total, o check list vai além dos componentes básicos que normalmente são avaliados. “Não basta calibrar os pneus, checar o nível do óleo ou completar o tanque do combustível. É necessário conferir outros itens para garantir a segurança do carro e a dos passageiros”, destaca. 
Após traçar o destino e deixar as malas prontas, o motorista deve preparar o carro para a estrada. Levar o carro ao seu mecânico de confiança é o primeiro passo. “É ele quem tem os conhecimentos para executar a manutenção preventiva. Por isso, é muito importante conhecer bem o profissional que vai cuidar do seu veículo, pois a sua segurança depende de um trabalho detalhado e muito bem realizado”, alerta Denise.
Os sistemas dos filtros de ar, óleo e combustível podem ser avaliados e trocados quando necessário, sempre conforme a indicação do manual do proprietário do veículo. Apenas substituir o lubrificante, sem a troca do filtro, por exemplo, diminui bastante a vida útil do óleo, que é crucial para o cumprimento de diversas funções que garantem o bom desempenho do motor.
Ainda de acordo com a Coordenadora Técnica da Total, o lubrificante atua como um agente-chave para garantir a confiabilidade e o funcionamento adequado do motor. Portanto, saber quando as trocas devem ser realizadas contribui preventivamente no desgaste, na oxidação e na corrosão de peças. “Em contato com o  oxigênio e aquecido com o calor do motor, o óleo acaba perdendo propriedades e eficiência.  A escolha certa do produto é determinante para aumentar a vida útil do carro. Além disso, auxilia na redução do consumo de combustível, das emissões de poluentes e dos custos com a manutenção”, explica.
Outros componentes que não podem ficar de fora da verificação do mecânico são as lâminas e as borrachas do para-brisas. É preciso avaliar se os encaixes das hastes do limpador estão seguros. Para isso, a borracha das palhetas deve ser lavada apenas com água, pois seu funcionamento pode ser prejudicado com a adição de outros elementos químicos durante a limpeza. Já o nível do fluído de freio deve ser sempre checado para evitar o mau funcionamento.
“Ruídos, trepidações, perda de eficiência ou pedal duro indicam que é necessário realizar uma avaliação mais minuciosa para descobrir o que está acontecendo com o veículo. O mesmo é indicado para velas e cabos, pois qualquer falha com eles pode gerar desgaste prematuro, comprometendo a vida útil de outros itens do carro”, garante Denise.
A correia dentada também deve ser avaliada e trocada a cada 50 mil km, aproximadamente. Porém, como o rompimento dessa peça pode danificar severamente o motor, é recomendado uma verificação a cada 15 mil km rodados, porque podem apontar trincas e desgastes. O radiador igualmente precisa passar por  manutenção para conferir se a válvula termostática, do radiador, da bomba d’água, da ventoinha e dos marcadores de temperatura do painel estão funcionando corretamente. 
Para pegar a estrada com segurança neste fim de ano, ainda é necessário verificar a parte elétrica (faróis e lâmpadas), sem esquecer dos pneus. Eles devem  estar sempre calibrados, o que inclui o estepe. “Depois de avaliar tudo isso, o motorista não pode esquecer-se de abastecer o carro em postos conhecidos e dirigir com segurança e dentro da velocidade indicada na estrada ou rodovia”, alerta Denise Novaes.