Bichos do Mar

Bichos do Mar

Vaqueiros

Doc Arte

DOC CAFUNDÓ

Doc órfãos

Indígenas

Aeroporto

16.06.2018

Batalha na Serra Grande se consolidou como a maior vitória

A Batalha na Serra Grande, travada no dia 26 de fevereiro de 1926, na cidade de Calumbi (PE), é considerada a maior vitória do bando de Lampião. Nela, o Rei do Cangaço demonstrou sua expertise e sagacidade. Enfrentou toda a elite da Polícia pernambucana. O resultado foi a morte de pelo menos 11 policiais; outros 14 saíram feridos. Nenhum cangaceiro morreu

16.06.2018

Visita de Lampião a Padre Cícero e a patente da discórdia

A visita de Lampião a Padre Cícero, em Juazeiro do Norte, em março de 1926, é um dos mais polêmicos capítulos do cangaço. Na ocasião, foi concedida ao “fora da lei” a patente de capitão do Exército. O Estado queria recrutar seu bando para combater a Coluna Prestes,que estava nos arredores do Cariri, segundo informações de lideranças políticas locais

16.06.2018

Cangaço empreendedor: a bendita herança de Lampião

Difícil dizer ao certo, mas a história de Lampião, Maria Bonita e seu bando foi tema de pelo menos 1.500 livros, segundo o autor de oito deles, o escritor, pesquisador e historiador baiano João de Sousa Lima. Além da literatura, cinema, poesia e TV, o cangaço e seus mitos deixaram ramificações no turismo, na música, por meio do xaxado, na gastronomia, na indumentária e na Medicina, com muitos remédios caseiros

16.06.2018

Túmulo do cangaceiro Jararaca é local de grande visitação

O túmulo onde o cangaceiro Jararaca foi enterrado vivo pelas forças policiais de Mossoró é local de grande visitação, sobretudo no Dia de Finados. O mesmo não acontece com a sepultura do prefeito Rodolpho Rodrigues, considerado herói por ter comandado a resistência ao bando liderado por Lampião

16.06.2018

'Era cabeça que não acabava mais' diz testemunha de batalha

As cabeças de onze cangaceiros que morreram na batalha da Gruta Angicos (SE), inclusive Lampião e Maria Bonita, estiveram expostas em várias cidades nordestinas. Primeiramente, foram levadas até Piranhas (AL); no local, dona Maria José de Souza Silva, na época com 11 anos, em meio a uma multidão, testemunhou o fato sombrio que repercutiu mundo afora