Evolução motora

Efeitos da atividade física ao ar livre

Correr, pular, saltar e arremessar objetos são movimentos essenciais para o desenvolvimento físico na infância

Brincadeiras em espaços abertos possibilitam às crianças experiências ricas e multissensoriais no que diz respeito a situações de desafios ( Fotos: Cid Barbosa )
00:00 · 07.10.2017
A atividade física para a garotada deve ser escolhida conforme a idade e ter caráter lúdico e prazeroso. O excesso pode causar aversão nos pequenos

Além de ajudar na interação da criança com as outras, as práticas esportivas realizadas em espaços abertos possibilitam a aproximação dos pais com os filhos, cria conexões positivas com a natureza, fomentando um espírito ecológico, consciência de cidadania e, ainda, vivenciar experiências ricas e multissensoriais.

Dentre os diversos benefícios que o correr, saltar e pular proporcionam às crianças, a educadora física da Unifor Fernanda Goersch Fontenele ressalta a habilidade, o desenvolvimento da motricidade global, do equilíbrio, da motricidade fina, das noções de espaço e tempo, fortalecimento dos ossos, músculos, articulações e melhora do sistema cardiorrespiratório.

Conforme a profissional, as atividades físicas desenvolvidas com crianças, em qualquer ambiente, sejam eles fechados ou ao ar livre, como, por exemplo, na praia, praças e parques ecológicos, podem apresentar inúmeros benefícios.

"É, claro que as atividades realizadas ao ar livre são mais prazerosas, pois o sol, o vento, a água, a areia, a grama, as árvores podem estimular a experiência e a criação de muitas brincadeiras, bem como proporcionar às crianças a convivência de perto com a natureza tão escassa nos grandes centros urbanos".

Idade indicada

A criança deve ser estimulada a fazer atividades físicas desde o primeiro ano de vida. "No entanto, para indicar a prática mais adequada a cada faixa etária, é necessário que se saiba como acontece o desenvolvimento motor na vida de cada uma", esclarece Fernanda.

A partir dos dois anos de idade, a criança entra em uma nova fase do desenvolvimento motor. É o período de experimentar e explorar as capacidades motoras. Ou seja, de descobrir como desempenhar uma variedade de movimentos, no início, isoladamente e, depois, de modo combinado, reagindo com controle.

"Entre os 7 e 14 anos, a criança passa a desenvolver movimentos especializados, que podem ser aplicados a atividades motoras complexas, presentes na vida diária, como, por exemplo, na recreação e atividades esportivas", destaca a profissional.

Fernanda lembra que a atividade física para a criança deve ter caráter lúdico e ofereça conforto e prazer na realização. Cuidado com os excessos para não causar nos pequenos uma aversão à vida esportiva.

"A modalidade deve ser escolhida de acordo com a idade da e aptidão da criança. O uso correto dos equipamentos de segurança deve ser levado em consideração. Isso porque, eles podem evitar consideravelmente os riscos de lesões".

Dos 5 aos 17 anos, a expert recomenda atividades físicas que incluam no dia a dia brincadeiras com jogos, esportes, locomoção, recreação, educação física e exercícios planejados. Sejam eles em família ou comunitários.

Hábitos saudáveis

A inclusão desses hábitos reduz os riscos de ansiedade e depressão. A prática de atividade física diária, moderada ou intensa acima de 60 minutos, propicia à criança ganhos extras para a saúde. A maior parte dos exercícios diários deve ser aeróbico. Já os de grande intensidade podem ser realizados três vezes por semana e incorporados aos que fortalecem os músculos e ossos.

A prática desse tipo de atividade física promove o desenvolvimento dos tecidos musculoesqueléticos (ossos, músculos e ligamentos); do sistema cardiovascular (coração e pulmões); da consciência neuromuscular (coordenação e controle dos movimentos) e da manutenção do peso corporal em níveis saudáveis.

Além de criar oportunidades de autoexpressão, autoconfiança e interação social, jovens fisicamente ativos evitam o uso de tabaco, álcool e apresentam um melhor desempenho psicológico e escolar.

Incentivo

"Para que a criança seja estimulada a praticar atividade física, é fundamental que ela tenha em quem se espelhar. Por isso é importante que os pais gostem de se exercitar", alerta a educadora física Fernanda Goersch Fontenele.

Crianças ao ar livre-3

Além de estimular a criação de brincadeiras, as atividades realizadas ao ar livre proporcionam às crianças a convivência direta com a natureza