editorial

Frutos da educação

00:00 · 13.03.2018

O Ceará continua a apresentar resultados excelentes na educação, colhendo os louros do permanente investimento feito na área. A última grande conquista foi o crescimento de 25% da aprovação de estudantes da rede pública estadual no Ensino Superior. No ano passado, quase 17 mil jovens conseguiram vagas em faculdades e universidades públicas e privadas, acréscimo de mais de 3 mil alunos em relação ao obtido em 2016, quando 13,5 mil foram aceitos. Os números foram anunciados pelo governo estadual em recente solenidade.

Entre 2015 e 2017, assinalou-se evolução vibrante no sucesso de estudantes de escolas públicas nos exames de admissão ao Ensino Superior. A expansão nesse período foi de 68%, deveras expressiva. A cada ano, a educação pública vem dando mostras de que oferece aos seus alunos um ensino de qualidade, possibilitando-lhes concorrer com boas chances em acirrados vestibulares.

Os êxitos ora logrados não acontecem de súbito. Quando o assunto é educação, todo investimento efetuado leva tempo para surtir repercussões significativas visíveis. Mas quando elas finalmente surgem, mostram-se com enorme impacto para transformar a realidade social, algo que já começa a se concretizar no Ceará.

O aumento no número de jovens da rede pública em universidades é fruto de vários fatores simultâneos. Há que se destacar, em especial, o empenho e a competência dos professores, cujo exercício cotidiano é imprescindível para os resultados positivos. Os alunos aprovados, pela dedicação aos estudos e valorização do conhecimento, também merecem ser reconhecidos.

Outro ponto a ser frisado é o esforço do Estado que, nas últimas gestões, passou a dar nova prioridade à educação básica, com investimentos relevantes em educação em tempo integral, acompanhamento de desempenho e inovação. Não é só no Ensino Médio que os jovens cearenses vêm exibindo progresso e mérito pessoal. De acordo com o Sistema Permanente de Avaliação da Educação Básica do Ceará (Spaece), o desempenho de aprendizagem de crianças, que estão no início do Ensino Fundamental, foi o melhor em dez anos.

As melhoras são percebidas por todo o território do Ceará. Diagnóstico elaborado pelo Spaece, em 2007, apontava que apenas 14 municípios estavam no padrão considerado desejável em alfabetização das crianças. Passados dez anos, 182 dos 184 municípios cearenses apresentam o patamar adequado. O Programa Alfabetização na Idade Certa (Paic), implementado na década passada no Estado, foi um ponto de inflexão, responsável por superar problemas arcaicos e persistentes de analfabetismo.

Embora os últimos anos tenham trazido resultados louváveis, ainda existem grandes desafios para a educação no Ceará. Manter a evolução de tais estatísticas requisitará contínuo investimento na valorização do magistério, na infraestrutura das escolas, no combate incessante à evasão escolar.

Manter o ritmo firme de atenção à educação poderá gerar retornos imensuráveis para o Estado. No longo prazo, a violência que hoje aflige a população cearense pode ser profundamente reduzida por iniciativas educacionais, assim como a desigualdade social.

Os jovens da rede pública, que estão conquistando espaço cada vez mais relevante na academia, abrem um mundo de oportunidades transformadoras, o que é promissor não só para eles próprios como para toda a sociedade cearense.