Corrupção

Ministro de Temer recebeu propina milionária, afirma Joesley Batista com novo áudio

Marcos Pereira (PRB), que também é que é pastor da Igreja Universal, teria recebido R$ 6 milhões ilicitamente

Político é pastor da Igreja Universal ( Divulgação )
11:27 · 07.10.2017 / atualizado às 12:01

O ministro Marcos Pereira (PRB), titular da pasta da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) do governo de Michel Temer, teve novamente o nome envolvido em delação premiada. O empresário Joesley Batista, da JBS, revelou ao Ministério Público que acertou propina de R$ 6 milhões ao político. 

Os áudios entregues por Joesley ao MP como prova da acusação foram divulgados pela revista Veja na noite desta sexta-feira (6)Segundo Joesley, que está preso por omitir informações, o ministro, que é pastor da Igreja Universal, pegou R$ 700 mil durante um encontro na casa do empresário, no dia 24 de março.

Joesley contou aos procuradores que a propina paga teve o objetivo de conseguir empréstimo de 2,7 bilhões na Caixa Econômica Federal, ainda no governo Dilma.  

Em fevereiro, delação da Odebrecht afirmou que o ministro do PRB negociou repasse de caixa 2 da empreiteira no valor de R$ 7 milhões em troca de apoio do partido à reeleição da chapa Dilma-Temer.

A redação tentou contactar a assessoria de comunicação do MDIC, mas as ligações não foram atendidas.

Confira trechos da conversa gravada

Joesley: Deixa eu te falar, aqui, você lembra? Eu não lembro mais a conta... Como que era?

Marcos Pereira: Meia, cinco, zero...

Joesley: Como que era? Não...

Joesley: Quanto era o saldo? Não lembro mais...

Marcos Pereira: Da última vez...

Marcos Pereira: Ah, pera, não sei...

Joesley: Meia, cinco, zero... Ah...

Joesley: Dividido por 3? Um setecentos e trinta divido por três.

Marcos Pereira: Cinco, sete, meia...

Joesley: Mais umas três vezes nós mata essa p...

Marcos Pereira: Pode ficar tranquilo

Joesley: o fluxo caiu

Marcos Pereira: Imagino

Joesley: Cara, o fluxo caiu. A lojinha tá vendendo menos. E eu agora só tô pegando as lojinhas nossas, né?