JBS

Delator diz que Aécio recebeu R$ 80 milhões para campanha e 'continuou pedindo mais'

Saud não deu detalhes sobre a forma do repasse ao tucano, mas disse que as "questões" eram na maioria das vezes "ilícitas".

13:58 · 19.05.2017 / atualizado às 14:54
Aecio
O delator contou que Joesley sempre "correu" do candidato ( FOTO: AGÊNCIA SENADO )
Em delação ao Ministério Público, o diretor de Relações Institucionais e de Governo da JBS, Ricardo Saud, relatou, no último dia 7, que o grupo pagou R$ 80 milhões para a campanha do então candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves. Principal braço direito de Joesley Batista, dono da JBS, nas negociações com políticos do governo ou da oposição, Saud não deu detalhes sobre a forma do repasse ao tucano, mas disse que as "questões" eram na maioria das vezes "ilícitas".

O delator contou que Joesley sempre "correu" do candidato. "Ele (Aécio) continuou pedindo mais dinheiro após a campanha", relatou. Saud ainda contou que um homem de prenome Fred era o interlocutor de Aécio para receber o dinheiro, sempre em shopping center movimentado.
 
O dinheiro era guardado por Fred numa mochila de cor preta. Uma pessoa próxima de Aécio conhecida por Fred é o primo dele Frederico Pacheco de Medeiros, preso no âmbito das investigações nesta quinta-feira, 18. O delator ainda contou que pagava "propina" a dois intermediários de Eduardo Cunha, Altair e Lúcio Funaro.

LEIA AINDA:
. Janot acusa Temer de corrupção, obstrução de Justiça e organização criminosa
. Rodrigo Maia já discute com técnicos legislativos sobre eleições indiretas
. PF interceptou conversas telefônicas de Temer e de Gilmar Mendes
. Leia íntegra do pedido de Janot (PGR) e decisão de Fachin (STF)
. Não há ilegalidade em áudios gravados por Joesley, diz Fachin
. Delator diz que Aécio recebeu R$ 80 milhões para campanha e 'continuou pedindo mais'
. Temer e Aécio agiam para impedir avanço da Lava Jato, diz inquérito
. Delação JBS: "Temer quer que eu retire a ação" do TSE, diz Aécio em áudio gravado

O Supremo Tribunal Federal (STF) deve divulgou a íntegra da delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS, controlador do frigorífico Friboi. Os depoimentos preencheram cerca de 2 mil páginas, e as oitivas foram gravadas em vídeo. Na quinta-feira (18), após retirar o sigilo dos depoimentos, o STF divulgou o áudio gravado pelo empresário Joesley Batista em uma reunião com o presidente Michel Temer. A prova faz parte da investigação que foi aberta contra o presidente na Suprema Corte.

Também foram citados os senadores Aécio Neves (PSDB-MG) e Zezé Perrela (PMDB-MG), além de pessoas ligadas a eles, no entanto, essa parte ainda não havia sido divulgada oficialmente. O áudio tem cerca de 40 minutos. Na conversa, Temer e Batista conversam sobre o cenário político, os avanços na economia e também citam a situação do ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi preso na Operação Lava Jato, por volta dos 11 minutos.
 
Em pronunciamento, Temer afirmou que não irá renunciar ao cargo e exigiu uma investigação rápida na denúncia em que é citado, para que seja esclarecida. "Não renunciarei. Repito não renunciarei", afirmou. Sem seguida, em nota divulgada à imprensa, o Palácio do Planalto informou que o presidente não acreditou na veracidade das declarações de Joesley.

“O presidente Michel Temer não acreditou na veracidade das declarações. O empresário estava sendo objeto de inquérito e por isso parecia contar vantagem. O presidente não poderia crer que um juiz e um membro do Ministério Público estivessem sendo cooptados”, disse a assessoria do Palácio do Planalto, em nota. A expectativa do governo é que o STF investigue e arquive o inquérito”, diz a nota.