No centro

Alckmin está preocupado que ocorra pulverização

00:00 · 14.03.2018

Brasília. Em conversa com senadores tucanos, o governador Geraldo Alckmin (SP), pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB, demonstrou preocupação com a pulverização de candidaturas de centro.

Os votos do eleitorado de centro-direita podem ser disputados por ele com nomes como o senador Álvaro Dias (Pode-PR), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ou um candidato do governo. O PMDB ainda estuda se o presidente Michel Temer disputará a reeleição ou se a legenda lançará um outro nome para concorrer ao cargo e defender o legado governista.

No encontro, o governador paulista apresentou o cenário nacional de alianças e apenas a parceria com o PPS foi dada como certa. O PSDB busca ainda firmar acordo com um antigo aliado, o DEM, a quem pretende oferecer o cargo de vice.

Esse cenário é dificultado pelo fato de o Democratas ter lançado na semana passada o nome de Maia como pré-candidato.

Contudo, tucanos ainda veem com desconfiança a disputa de Maia ao Palácio do Planalto. Segundo participantes do encontro, o governador evitou concordar com a leitura sobre eventual candidatura de Temer. Presidente nacional do PSDB, Alckmin tem afirmado que as alianças só devem ser decididas em julho ou agosto, período das convenções partidárias. Ele deixa o governo paulista em 7 de abril.

Odebrecht

Alckmin também se defendeu ontem de acusações que envolvem a construtora Odebrecht.

Reportagem publicada no dia 12 afirmou que três empresas da família de Alckmin têm ou tiveram como sede um edifício comercial que pertence ao seu cunhado Adhemar Ribeiro, acusado por delatores da Odebrecht de ter recebido dinheiro de caixa dois para abastecer a campanha do tucano em 2010.