Sete anos de guerra civil

Turquia avança e cerca cidade síria

00:00 · 14.03.2018

Istambul. As forças turcas cercam desde segunda-feira a cidade de Afrin, uma área do noroeste da Síria controlada por uma milícia curda que tem o apoio dos EUA, mas que Ancara considera "terrorista", anunciou o exército da Turquia.

A situação aumenta os temores de um novo drama humanitário no país, que entrou nesta terça em seu oitavo ano de conflito.

"A cidade de Afrin está cercada desde 12 de março", afirma o exército em um comunicado.

O exército turco anunciou sem maiores detalhes que terminou de cercar a cidade de Afrin, onde vivem 350 mil pessoas.

Afrin é o principal alvo da ofensiva iniciada em 20 de janeiro pela Turquia contra a milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG).

Após várias semanas de avanço gradativo, as tropas turcas e seus auxiliares sírios assumiram o controle de várias localidades nas proximidades de Afrin. Um ataque frontal a Afrin é muito arriscado pela presença de milhares de civis, dizem analistas.

Centenas de civis fugiram da cidade, de acordo com a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Mais de 200 civis morreram desde o início da operação turca no norte da Síria. O governo de Ancara nega bombardear a população civil.

A guerra na Síria, que completa amanhã sete anos, provocou mais de 350 mil, segundo o OSDH. No enclave rebelde sitiado de Ghuta Oriental, dezenas de civis, incluindo casos médicos, foram evacuados ontem.

As evacuações aconteceram sob a supervisão da ONU. Foram evacuados 24 homens, 44 mulheres e 78 crianças, incluindo 10 doentes. Essa operação aconteceu nas cidades de Duma e Rihan (norte), sob controle do grupo Yaish al-Islam, uma das facções rebeldes de Ghuta.