Música

A revolução de Berg Menezes

Cearense lança nesta terça (13) campanha de financiamento coletivo para o novo disco, com show no Sesc Emiliano

00:00 · 13.03.2018 por Roberta Souza - Repórter
Image-0-Artigo-2373535-1
Berg Menezes: "Outra pessoa me traz o desafio de compor junto. É como se eu viajasse pra outro lugar", diz sobre as parcerias

É fruto da inquietação o novo álbum do músico Berg Menezes. Norteado pela pergunta "Qual a sua revolução?", o cearense lança nesta terça-feira (13) a campanha de financiamento coletivo pelo site Benfeitoria, com o objetivo de alcançar no mínimo R$ 15 mil, destinados a uma primeira tiragem do trabalho autoral.

Para divulgar a campanha, ele realiza show gratuito logo mais à noite, no Teatro Sesc Emiliano Queiroz, às 19h30, já com algumas canções inéditas no repertório.

Os trabalhos para o disco começaram no final de 2017, quando o músico revirou algumas composições antigas. Inspirado por uma viagem de um mês a São Paulo, também no ano passado, Berg encontrou os questionamentos que o auxiliariam na seleção do material que já tinha e na construção do que estava por vir.

"No meio do furdunço político do País, com muitas coisas acontecendo, denúncias que não acabam, começou a me vir essa pergunta junto com uma sensação de que a gente não consegue confiar em ninguém, de que não existe um lado a defender", recorda. "Quis questionar esse momento. Nesse universo, qual meu lugar nisso? Como, dentro da minha arte, consigo manifestar minhas ideias e influenciar pessoas?", raciocina o artista.

Com a própria revolução, ele pretende mexer com as certezas impostas. "As pessoas obrigam a gente em pensar em dois únicos lados e isso me incomoda muito. Não acho que existem apenas dois jeitos de olhar as coisas, por isso mesmo sempre gostei de fazer parcerias", compara.

Em "Qual a sua revolução?", os intercâmbios estão fortalecidos. Ao lado de Berg Menezes participam desse projeto os músicos Artur Guidugli (percussão e synths), Álvaro Abreu (bateria), Daniel Calvet (baixo) e Pedro de Farias (guitarra). O disco também deve contar com mais parcerias, como dos amigos Zéis (Capotes Pretos na Terra Marfim) e Miguel Cordeiro, além de Caio Castelo, Daniel Medina e Érica Albernaz, com os quais Berg já vem estabelecendo diálogos. "Outra pessoa me traz o desafio de compor junto. É como se eu viajasse pra outro lugar. É bem legal, principalmente quando você admira o trabalho dela, caso de todos esses", reconhece.

Campanha

A opção pelo financiamento coletivo não veio logo nos primeiros trabalhos - os EPs "Imperfeito" (2013) e "Vagabundo" (2014) e o CD "Pedra", lançado em 2016 pelo selo local Mocker Discos - porque Berg acreditava que ainda era preciso se fazer conhecido. "Agora que mostrei o meu trabalho e as pessoas se interessaram, chamo elas a participarem", convida.

A campanha ficará disponível no site Benfeitoria durante 90 dias, até 10 de junho. Nesse período, as pessoas podem colaborar e receber em troca algumas recompensas, caso façam doações a partir de R$ 15. CDs, camisas, adesivos são as mais básicas.

À medida que o valor aumenta, o retorno também. "Tem aula de música com o pessoal que toca comigo, tem show acústico ou com a banda inteira, o que também pode beneficiar empresas ou pessoas que tenham interesse em contratar, e tem também uma assessoria de produção musical que eu mesmo estou oferecendo aos músicos iniciantes", detalha Berg. Essa assessoria será possível a partir de um investimento de R$ 1.500; já o show completo, a partir de R$ 2.000.

Projetos

Atingida a meta inicial de R$ 15 mil, o músico poderá conquistar outros valores. Com R$ 20 mil, ele consegue produzir o disco com mais tranquilidade, nas condições ideias; com R$ 25 mil, um clipe; e com R$ 32 mil, um show de lançamento. Lembrando que no Benfeitoria, funciona a dinâmica do tudo ou nada. Ou seja, pelo menos a meta inicial ele precisa alcançar até 10 de junho.

Entre o fim de junho e o começo de julho, Berg pretende gravar o disco, cuja previsão de lançamento é 7 de setembro. "Talvez seja um dia simbólico. Gostaria de lançar antes das eleições; tenho muitas coisas para dizer com o trabalho e queria dizer antes de outubro", adianta.

Enquanto divulga a campanha, o músico realiza shows em Fortaleza e em outras capitais do Nordeste. Depois do show desta terça (13), ele segue para Recife e Natal, onde se apresentará nos dias 16 e 17 de março, respectivamente, em parceria com o colega cearense Zéis e bandas das cenas locais de Pernambuco e Rio Grande do Norte.

Já no dia 18, de volta a Fortaleza, ele toca novamente com Zéis e com a banda Forria - também lançando disco novo - na casa de shows Berlinda Club, a partir das 19h, na festa Toró, homenagem ao padroeiro do Ceará, São José, na véspera do feriado que costuma ser de chuva. Os ingressos serão vendidos na hora (R$ 10).

Mais informações:

Show de lançamento da campanha de financiamento coletivo para o disco "Qual a sua revolução?", de Berg Menezes. Hoje (13), às 19h30, no Teatro Sesc Emiliano Queiroz (Av. Duque de Caxias, 1701, Centro). Gratuito.