Vicente Pinzon, 510 anos depois