Ana Miranda: O direito à ficção