Aleitamento reduz em até 25% risco do distúrbio