Paulo César Norões: É cedo para tratar de sucessão