Opinião: Estratégia quase perfeita